Elizeu de Lima.

Por uma volta de táxi e R$ 8,00, Elizeu Borges de Lima, 36 anos, pagou caro e foi parar atrás das grades. Armado com uma pistola de brinquedo, ele assaltou um taxista e tomou o Santana placa AIC-8252, prefixo 51, na noite de segunda-feira, em São Braz. Pouco tempo depois, foi flagrado por policiais militares trafegando pelo centro da cidade e conduzido ao 12.º Distrito, sendo autuado em flagrante pelo delegado Rubens Recalcatti. Elizeu foi reconhecido pelo taxista, mas negou o crime.

Roubo

Às 23h de segunda-feira, Elizeu embarcou no táxi no Bairro Alto e solicitou uma corrida até São Braz. Quando o taxista passou em frente ao Clube Três Marias, o passageiro sacou a pistola de brinquedo e mediante ameaça de morte, ordenou que a vítima entregasse o dinheiro e que desembarcasse do carro. O motorista obedeceu a ordem, telefonou para a central de táxi e para a Polícia Militar. Quarenta minutos depois, seus colegas de profissão e um viatura da PM encontraram o marginal na Rua Nilo Cairo, passeando tranqüilamente com o táxi. Os policiais tentaram abordá-lo, e Elizeu saiu em alta velocidade, mas a rua foi trancada por taxistas e ele recebeu voz de prisão.

Elizeu conta uma outra versão. Disse que embarcou no táxi junto com dois homens, mas não sabia que seus colegas estavam armados. No caminho, seus amigos renderam o taxista. “Entrei nesta de `laranja’. Não sabia do assalto. Quando a polícia chegou eles fugiram e eu não consegui sair do carro porque estava no banco de trás”, justificou.

Homicida

O detido contou que já assassinou duas pessoas, em 1988. “Eu matei um que eu não sabia o nome durante uma briga de bar. Um mês depois matei o irmão dele, que estava ameaçando minha família. Da primeira vez fui inocentado. Na outra, condenado. Cumpri sete anos, fugi e fui recapturado, mas isto é passado, já paguei”, lembrou Elizeu.

O delegado informou que além dos homicídios, Elizeu responde por assalto, estupro e ameaça. “A história que ele contou sobre o roubo do táxi é mentirosa. A vítima afirma que Elizeu estava sozinho. Acreditamos que ele tenha outros crimes”, disse Recalcatti. Ele solicita às pessoas que reconhecerem Elizeu para entrar em contato, através do telefone 372-3111.