A Justiça decide hoje se suspeito de causar acidente com três mortes no Rebouças vai a júri popular. A terceira e última audiência de instrução, sobre a colisão em que morreram a advogada Gabriele Empinotti, 23 anos, sua mãe Lorena Araújo Camargo, 47, e seu sobrinho Igor Empinotti de Oliveira, 9, em setembro do ano passado, deve começar às 13h30, na 1.ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba. O juiz Leonardo Bechara Stancioli deve decidir se Eduardo Vitor Garzuze, 25, irá a júri popular.

O advogado Brunno Pereira, que atua como assistente de acusação junto à família Empinotti, adiantou que deverá pedir ao juiz a prisão preventiva de Eduardo, já que ele não compareceu às últimas audiências e apresentou atestado que não foi aceito pelo Ministério Público. Na audiência, devem ser ouvidos policiais militares e socorristas do Siate que atenderam a ocorrência.

Acidente

Gabriele voltava da festa de formatura de sua irmã e, segundo a Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) divulgou na época, ela trafegava de vagar e, quando passou pelo semáforo, o sinal mudou para vermelho. Eduardo passou no sinal verde, mas diante da velocidade que estava, fugindo de outro acidente, acredita-se que ele cruzaria a esquina independente do sinal. Mesmo nove horas depois do acidente, Eduardo ainda tinha 5,4 decigramas de álcool por litro de sangue. Não foi constatado álcool no sangue de Gabriele.