O delegado-geral da Polícia Civil, Marcus Vinícius da Costa Michelotto, esteve na tarde desta sexta-feira (22), na Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), em Curitiba, parabenizando a equipe comandada pelo delegado Amarildo José Antunes pelos ótimos serviços realizados recentemente. Numa conversa animada, Michelotto, que não esconde de ninguém seu lado operacional, tentou fazer com que os policiais da DFR entendam como vem sendo o trabalho dele à frente da instituição para valorizar a base da categoria. “Eu sempre falo que o que me levou a delegado-geral foi o trabalho da minha equipe. Devo isso à base e não ficarei satisfeito enquanto não considerar que fiz algo de bom pela base da Polícia Civil”, disse.

Michelotto parabenizou os policiais da especializada pela elucidação de vários crimes de repercussão pública que ocorreram nos últimos meses. “Vocês aqui e várias outras unidades da Polícia Civil estão derrubando todos os crimes de grande repercussão. Eu não aceito que falem mal da Polícia Civil”, afirmou, destacando que sua gestão tem sido pautada na melhora de condições de trabalho e de remuneração da categoria.

O delegado Luiz Carlos de Oliveira, titular da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), salientou que a visita do delegado-geral à DFR valoriza o trabalho do policial civil da base. “Esse é o reconhecimento de uma trabalho que vem sendo bem feito. É importante que o policial saiba que seu chefe sabe da importância de seu trabalho, que mesmo com muitas dificuldades, tem sido coroado de êxito”, afirmou Oliveira.

Oliveira destacou ainda o momento importante vivido pela DFR esta semana, quando da elucidação de um crime em que o ex-marido de uma dona de confeitaria fingiu um sequestro e matou. “A gente viu policiais com 25 anos de serviço que viajaram para o interior atrás de um dos acusados voltando com ele e demostrando aquela alegria, aquele contentamento como se fossem iniciantes e estivessem fazendo a primeira prisão de suas vidas. Isso resgata a autoestima do policial”, afirmou.

Antunes, há seis meses chefiando a unidade, aproveitou o momento para agradecer o trabalho de sua equipe de investigadores, escrivães, seu superintendente José Adriano e os delegados Daniel Prestes Fagundes e Danilo Zarlenga. “Nos últimos seis meses fizemos 119 prisões aqui na DFR”, contou. Além das prisões foram apreendidos 18 revólveres, 11 pistolas, um fuzil, uma espingarda, 422 quilos de maconha, 16 quilos de cocaína, 12 quilos de crack e 3,5 quilos de haxixe. “Aproveitamos a visita do delegado-geral para mostrar as reformas que estão sendo feitas na delegacia, dando melhores condições para o policial trabalhar para o cidadão que precisa do atendimento da unidade”, afirmou Antunes.