Os primeiros dias do mês são esperados ansiosamente não só pelos trabalhadores que recebem nesta época, mas também por bandidos, que monitoram saída de agências bancárias. Na tarde de ontem, vários assaltos foram registrados pela Polícia Militar.

Em um deles, a vítima matou o assaltante, em outro, um rapaz foi preso e reconhecido pela vítima. Bandidos também atacaram uma agência do Bradesco e uma clínica médica.

Por volta de 15h30, o dono de uma imobiliária, em Santa Felicidade, sacou dinheiro e seguiu para sua empresa, na Rua Saturnino Miranda. Quando chegou, foi abordado por um homem, com arma em punho, usando capacete. O empresário sacou uma arma e deu dois tiros no assaltante, que morreu no local. O outro bandido, que dava cobertura com a moto, fugiu sentido Pilarzinho.

Aliocha Maurício
Geovane: roubo em Pinhais.

Quando os policiais militares do 12.º Batalhão encontraram o rapaz caído perto da imobiliária, constataram que ele estava morto, mas, mesmo assim, recolheram o corpo na viatura e levaram para o Hospital Evangélico, sem identificação.

O empresário, que segundo testemunhas estava armado por ter sido assaltado recentemente, foi levado para o 12.º Distrito Policial e, até o início da noite de ontem, o delegado Rogério Martin de Castro não havia determinado se ele seria liberado por agir em legítima defesa.

Pinhais

Praticamente no mesmo horário, denúncia anônima informou os soldados Macieski e Amorim, do 17.º Batalhão de Polícia Militar, que dois suspeitos – com a moto Titan placa ANZ-7193 -rondavam a agência bancária do Itaú, na Rua Camilo de Lellis, centro de Pinhais.

Pouco depois, pelo 190, souberam que uma mulher havia sido assaltada, logo depois de sacar R$ 3 mil em uma agência bancária. “Na Rua Rio Amazonas, no Jardim Weissópolis, prendemos Geovane de Moraes, 18 anos”, contou Amorim. Ele foi levado para a delegacia, reconhecido pela vítima e autuado em flagrante por roubo. O seu comparsa não foi encontrado.

Perigo no lado de dentro

Giselle Ulbrich

Com muita facilidade, seis bandidos conseguiram assaltar uma agência do Bradesco, em Colombo, e levar de lá R$ 40 mil. Mesmo armados, conseguiram passar pela porta giratória, renderam vigilantes e levaram suas armas. Suspeita-se que, para conseguir entrar no banco, estivessem usando armas de plástico. O crime foi na agência da Estrada da Ribeira, bem no centro comercial do Alto Maracanã, pouco depois das 10h de ontem.

Dois vigilantes foram rendidos e tiveram seus revólveres calibre 38 levados. O banco não revelou se os R$ 40 mil foram levados do cofre ou dos caixas, ou ainda, se os clientes também foram roubados. O caso foi atendido pela Polícia Militar, que o entregou à delegacia.

Bancários preocupados

O crescente número de assaltos às agências e no entorno dos bancos vem preocupando o Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região Metropolitana. Segundo dados da própria polícia ao sindicato, giram em torno de 15 os roubos ao redor destas instituições financeiras, todos os meses.

A preocupação é tanta que, na última campanha salarial dos bancários, ocorrida no final de semana passado, a categoria colocou em discussão também a segurança nas agências.

Segundo explicou Otávio Dias, presidente do sindicato, há uma lei, de 1983, que diz que os bancos podem ter dispositivos de segurança, não especificando quais. Dias ainda criticou a atuação das autoridades, que não dão a atenção necessária à segurança das agências, principalmente nos dias de pico de movimento, em geral, entre 1.º e 5 de cada mês. Ele sugeriu, aos clientes que, principalmente no início do mês, fique mais atentos quando forem aos bancos.

Nem clínica escapa

Dois homens armados assaltaram uma clínica médica no bairro Afonso Pena, em São José dos Pinhais, no fim da tarde de ontem. Eles roubaram objetos e dinheiro do estabelecimento e fugiram na caminhonete de um paciente.

Abandonaram o veículo nas proximidades do Shopping Jardim das Américas, às margens da BR-277, de onde fugiram. Não se sabe se outros marginais lhes davam apoio. A Polícia Militar de São José dos Pinhais procurou pelos bandidos, mas não os localizou.