Foto: Walter Alves

?Perci? e ?Tiziu? foram desovados a três quilômetros de onde foram mortos.

Parecia cena de filme de terror, mas era real. Um homem decapitado e outro degolado foi o que encontraram, às 8h de ontem, moradores da região de Capivara dos Ferreira, na zona rural de Campo Magro.

Os corpos estavam na entrada de um matagal, às margens da estrada principal da localidade, próximo à divisa com o município de Itaperuçu. As vítimas ainda permaneciam sem identificação no Instituto Médico-Legal (IML), quando, no final da tarde de ontem, Alexsandro Alves da Silva, 21 anos, compareceu na delegacia de Colombo e confessou ao delegado Hamilton Cordeiro da Paz Júnior ser o autor do crime. ?A história era assustadora.

A princípio parecia alucinação do rapaz?, disse o delegado.

Quando os policiais militares do 17.º Batalhão chegaram no local, se surpreenderam com o cenário macabro. Os corpos estavam deitados a poucos metros de uma casinha abandonada, próximos um do outro e bastante desfigurados. Um deles foi degolado e teve o peito, a barriga e o braço cortados. Sua cueca estava abaixada, na altura das canelas.

O outro foi decapitado e vestia apenas uma calça.

Foto: Anderson Tozato

Alexsandro se entregou.

Bebedeira

Alexsandro contou que trabalhava com as vítimas, conhecidas como ?Tiziu? e ?Perci?, na plantação de pinus na Fazenda Vale do Rio Verde, em Campo Magro. Na quinta-feira, os três trabalharam até as 18h e, depois, foram para o rancho, onde dividiam o mesmo quarto. Do lado de fora, cada um pegou um litro de cachaça e passaram a se embriagar. No início da madrugada, todos já estavam alcoolizados e começaram a discutir quem era melhor de briga.

?Eu não gostei e fui dormir. Até tirei minhas coisas para fora do quarto. Ia dormir no tempo?, contou o rapaz. Alexsandro disse que ?Perci? ameaçou atear fogo nele e chegou a jogar-lhe pinga e a pegar um isqueiro. Nesse momento ?Tiziu? tinha se retirado do local. ?Peguei a foice para me defender e desferi golpes contra ele?, disse. Pouco depois, ?Tiziu? apareceu e, ao ver o amigo decapitado, teria partido para cima de Alexsandro, que, usando a mesma arma, o matou. ?Se eles não estivessem tão bêbados, poderia ter sido eu?, comentou o rapaz.

Galope macabro

Valéria Biembengut

Os dois corpos estavam estendidos nas proximidades do rancho, por volta das 2h de ontem. Sem saber o que fazer, Alexsandro procurou ajuda de dois parentes, identificados como Altair e Alceu. Ele contou o que aconteceu e os três resolveram ocultar os cadáveres. Primeiramente, envolveram ?Tiziu? em uma lona preta. Em seguida, colocaram o corpo em cima de um cavalo e o levaram até a estrada, situada a três quilômetros dali.

Eles retiraram a lona e retornaram ao rancho com o animal, onde repetiram a cena, com ?Perci?. ?Pensei em jogar os corpos no riacho, onde nós tomávamos banho, mas não queria complicar o dono da fazenda?, revelou o rapaz.

Após desovar os corpos, Alexsandro retornou ao rancho novamente, tomou banho, trocou a roupa e deixou o lugar a pé. Ele caminhou 13 quilômetros até chegar em Itaperuçu. De lá, embarcou em um ônibus para Colombo e foi para casa de sua família. Alexsandro relatou o que tinha acontecido para seus familiares, que o orientaram a procurar a delegacia de Colombo.