A promotora Carolina Dias Aidar de Oliveira assegurou, ontem, estar convicta de que Juarez Ferreira Pinto, 42 anos, matou Osíris Del Corso, 22, e baleou Monik Pergorari Lima, 23, em 31 de janeiro, no Morro do Boi, em Caiobá.

Ao mesmo tempo, os advogados de defesa disseram que ficou provada, na audiência de terça-feira, a inocência de seu cliente. Nilton Ribeiro e Mário Lúcio Monteiro Filho afirmaram que ficou clara a intimidação feita às testemunhas de defesa.

A secretária da empresa onde Juarez trabalhava, no balneário Santa Terezinha, garante ter feito o pagamento de R$ 50 para o suspeito, na tarde em que ocorreu o crime. Ela foi indiciada em inquérito por falso testemunho.

Antecipação

Uma semana antes da audiência, Carolina Dias enviou pedido de indiciamento em inquérito da testemunha, ao 7.º Distrito Policial (Vila Hauer). E, ao iniciar o interrogatório da funcionária, alertou-a de que já estava indiciada.

Mesmo assim, a mulher repetiu sua versão dos fatos, afirmando que não estava lá para mentir. “A defesa entende o indiciamento como coação a testemunhas, para impedir que digam a verdade”, afirmou Nilton.