José Anilto da Silveira, 46 anos, e a esposa Ivanilda Rosa dos Santos, 40, foram cercados no trânsito e baleados, na tarde deste domingo (29), na CIC. José morreu na hora e a mulher foi levada em estado grave, com um tiro na cabeça, para o Hospital do Trabalhador. A polícia acredita em vingança contra a família, já que o filho do casal (morto em fevereiro), vinha sendo acusado de matar um rapaz na CIC.

O crime deste domingo ocorreu na Rua Pedro Gusso, no semáforo de esquina com a Rua Cid Campelo, ao lado do condomínio Parque Verde, por volta das 15h50. Segundo verificou o perito criminal Silvestre Ornelas, o Ford Ka em que o casal estava foi alvejado pelos dois lados, ou seja, havia pelo menos dois atiradores cercando o carro, pela rua e pela calçada. Assim que o casal parou no semáforo, foram surpreendidos. O perito localizou munição e estojos de pistola calibre nove milímetros.

José morreu com três tiros na cabeça e dois no peito. Testemunhas disseram aos policiais que os atiradores fugiram num carro azul, um Peugeot ou um Renault. José carregava uma pistola calibre 380, com numeração raspada, ao lado de seu banco. Mas, segundo o perito, a vítima não teve tempo de sacar a arma para se defender. A pistola foi recolhida por policiais civis da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Casal é baleado após ser cercado no trânsito em rua movimentada da CIC
Como o cruzamento é bastante movimentado, muitos curiosos se aproximaram para ver o que tinha acontecido. Foto: Átila Alberti 

Matança

No dia 5 de fevereiro, Douglas Henrique dos Santos, 21 anos, foi assassinado na Rua Elzira Hartmann, na CIC, quando saía da casa da namorada. Apesar dele ter continuado com sua carteira e seu relógio, a mochila que ele carregava com um videogame dentro sumiu. Isto levou policiais a imaginarem um suposto assalto.

Pouco depois, no dia 7 de fevereiro, Alexander dos Santos da Silveira, 19 anos, foi morto na Rua Sebastião Ribeiro Batista, na CIC. Alexander é filho de José e Ivanilda e, segundo os investigadores da DHPP, o jovem vinha sendo acusado por jovens moradores da Praça Um, na Vila Nossa Senhora da Luz, de assassinar Douglas, dias antes. Por isto, Alexander foi morto, numa vingança que vinha se estendendo a sua família. Por causa disto, disse Ivanilda a investigadores (consciente no hospital, apesar do tiro na cabeça), é que José estava andando armado.