200 quilos de papeis, carimbos, dinheiro
estrangeiro e pedras preciosas falsas.

Um esquema de fraude milionário começou a ser desvendado pelo Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos – Nurce – da Polícia Civil, em Cuitiba, em conjunto com as sub-divisões de Maringá e Cascavel. Foram 45 dias de investigações, em cartórios de todo o Estado. Ontem, o delegado Sérgio Inácio Sirino confirmou que há fortes indícios da existência de uma quadrilha que atua no Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

A peça-chave do esquema foi presa no dia 11, no distrito de Calógeras, município de Arapoti, Norte Pioneiro. O cartorário Everaldo Josauro Prestes Cordeiro foi detido, acusado de falsificação de conteúdo em documentos oficiais obtidos de forma criminosa, direitos sucessórios, ingresso ilegal no país, além de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. De acordo com o delegado, outro suspeito de fazer parte do esquema foi preso ontem, em Maringá.

Expansão

O cartório de Calógeras, na verdade, era apenas uma sede para que Everaldo realizasse as fraudes em outros lugares. A maioria das falcatruas era realizada em Curitiba, onde ele se hospedava em hotéis e tinha contato com pessoas de outros estados e países.

Além do cartório, o acusado também comandava uma funerária em Arapoti. Ele utilizava originais para copiar a assinatura e produzir outros documentos. Com isso, emitia certidões de óbito falsas, podendo retirar benefício do INSS e até receber heranças. O cartorário é acusado também de falsificar de documentos de estrangeiros, registrando-os como se tivessem nascido no distrito de Calógeras.

Outra fraude descoberta era a transação imobiliária irregular, realizada em outros estados e países. Everaldo utilizava nomes de pessoas já falecidas para vender terrenos supostamente colocados à venda.

Milhões

O Nurce confirmou que somente nas cerca de 65 transações imobiliárias em empresas do exterior (paraísos fiscais como as Ilhas Virgens Britânicas e Caymann) foram movimentados US$ 10 milhões. “Há outras pessoas envolvidas nesse esquema, mas ainda não podemos divulgar outros nomes”, completou o delegado, que já solicitou outras prisões temporárias.

Até agora foram realizadas 12 operações de busca e apreensão em residências, estabelecimentos comerciais e funcionários de órgãos públicos de Curitiba, sob suspeita de envolvimento na quadrilha. Sérgio ainda confirmou que a Polícia Federal participará das investigações.

Polícia apreendeu 200 quilos de papelada

De acordo com a polícia foram encontrados cerca de 200 quilos de documentação oficial, como selos públicos, certidões de nascimento e de óbitos em branco, além de carimbos adulterados, como do Ibama, por exemplo, que seria utilizado para facilitar o trânsito criminoso de madeiras.

Também foram apreendidos pedras preciosas falsificadas (cerca de 200 unidades de esmeraldas em pepitas e pedras), uma caminhoneta Blazer, uma motocicleta Honda e um Ford Explorer, uma câmera filmadora digital e um revólver, calibre 32, cinco munições intactas. Na papelada foram encontrados livros de registros públicos (alguns clonados e adulterados), documentos de pessoas falecidas, certidões de nascimento, centenas de registros oficiais de transações imobiliárias, uma carteira de servidor público com brasão da República, e documentos estrangeiros de vários países, inclusive europeus e árabes.

Computadores portáteis e vários disquetes também foram apreendidos. Segundo o delegado, a Corregedoria-Geral da Justiça do Paraná está acompanhando o caso.