As mortes no trânsito diminuíram 53,2%
entre dezembro de 1996 e dezembro de 2002.

O número de mortes causadas por acidentes de trânsito em Curitiba diminuiu 53,2% entre dezembro de 1996 e dezembro de 2002. Os dados são da Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), empresa que gerencia o trânsito na cidade.

A presidente da Urbs, Yára Eisenbach, explica que a queda no número de mortes está diretamente relacionada com as ações implementadas para reduzir a velocidade nas vias públicas. “A intensificação da fiscalização, somada às lombadas e radares eletrônicos, deu mais segurança para a população”, afirma. Yára ressalta que a ocorrência de mortes está diretamente relacionada à velocidade desenvolvida pelo veículo no momento do acidente.

Os cálculos da Urbs consideram a proporção entre número de acidentes e da frota. Entre dezembro de 1996 e dezembro de 2002, a frota passou de 566.967 para 761.582 veículos, um crescimento de 34,32%. Nesse período, o número de mortes no local de acidentes diminuiu de 124 para 78. Isso equivale a dizer que o índice de mortes por acidentes de trânsito caiu de 2,19 por 10 mil veículos em 1996 para 1,02 em 2002. Em números absolutos (sem levar em consideração o aumento da frota), a queda também é significativa: 37,1%. “Além da diminuição do número de mortes, as ações adotadas no município garantiram uma queda geral de 23,6% do número de acidentes, de 26,2% do número de feridos, e de 41,5% do número de atropelamentos”, disse Yára.

Mais lento

A redução da velocidade, principalmente em pontos críticos, onde há grande fluxo de pedestres, foi fundamental para diminuir as mortes em caso de atropelamento. Registros apontam que a probabilidade de fatalidade quando o carro está a 40 quilômetros por hora é de 15%, subindo para 70% quando alcança 70 quilômetros por hora. “Aí é que entram os radares e as lombadas eletrônicas. Esses equipamentos não foram adotados como medida para multar, mas sim para educar e dar mais segurança aos curitibanos, evitando mortes e outras graves seqüelas decorrentes dos acidentes no trânsito, na maioria causados pelo excesso de velocidade”, afirmou a presidente da Urbs.

Nacional

Curitiba á capital brasileira com menor índice de violência no trânsito. A informação é divulgada no Anuário do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), com base em números do Ministério da Justiça e Fundação Getúlio Vargas. Em 2001, o índice de vítimas fatais por 10 mil veículos, de acordo com a anuário, foi de 1,3 em Curitiba. A média no Paraná é de 6,1 vítimas fatais por 10 mil veículos e, no Brasil, é de 5,5 vítimas fatais.

Os índices de Curitiba podem ser considerados ainda mais positivos pelo fato de a cidade apresentar a maior proporção de número de carros por habitantes do País -um carro a cada 2,17 habitantes, contra 2,74 em São Paulo, 2,41 em Goiânia, e 11,25 em Macapá, por exemplo.