Sem dar entrevista, Buba
deixa a Vara Criminal.

O empresário curitibano e ex-participante do programa Big Brother Brasil 4, Edilson Buba, 32 anos, foi interrogado ontem pela manhã pelo juiz da 2.ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, Roberto Negrão. Buba chegou por volta das 9h30 e deixou a Vara Criminal às 10h40, retornando ao Centro de Observação Criminológica e Triagem (COT). Ele alegou ao juiz que é usuário de droga.

Alguns quilos mais magro e usando óculos, o empresário saiu pela porta dos fundos da Vara Criminal e não deu entrevistas. Vários estudantes de Direito do 5.º período da Pontifícia Universidade Católica (PUC), de São José dos Pinhais, foram ao local, e aguardaram a saída de Buba. Para evitar tumulto a Polícia Militar fez um cordão de isolamento. Apesar de ser uma audiência pública, a Vara Criminal foi fechada durante a permanência de Buba no local.

Barrados

Os estudantes foram até o local para assistir ao interrogatório, mas tiveram que ficar do lado de fora. “Eles alegaram que a sala é pequena para que os estudantes acompanhassem”, contou a universitária Alessandra de Carvalho, dizendo que já acompanhou outras audiências criminais na mesma Vara. “Não pudemos exercer o nosso direito”, lamentou o estudante Eric Rosa da Silva.

Interrogatório

Os advogados Rogério Bothelho e Marden Maues acompanharam o interrogatório e ficaram alguns minutos depois conversando com o juiz, após a saída de Buba. “Vamos demonstrar que o Buba é o usuário e não traficante. Isto será feito através do histórico de sua vida e ficará claro que ele não tem o perfil de traficante”, garantiu Ronaldo Bothelho. “Temos dez dias para apresentar a defesa preliminar”, completou Marden Maues.

Bothelho ressaltou que a defesa está trabalhando para desclassificar o crime de tráfico de drogas – que é considerado hediondo, com pena de reclusão de 3 a 15 anos, sem nenhum benefício -, para uso de entorpecentes, cuja pena é alternativa e o réu responde em liberdade no Juízado Especial Criminal. “Agora vamos aguardar a decisão do juiz. Também estamos esperando a decisão do habeas corpus, que foi impetrado”, afirmou o defensor.

Prisão

O empresário foi preso na tarde do dia 26 de abril, às 15h no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, por policiais federais e civis. Em um dos armários do guarda volumes do aeroporto foi encontrada a mochila de Buba, em cujo interior havia 18 comprimidos de ecstasy e uma certa quantidade de maconha. Buba foi autuado em flagrante por tráfico, pelo delegado Osmar Dechiche, e dias depois transferido para o Centro de Observação Crimininológica e Triagem, no Ahu, onde permanece recolhido.