Alberto Melnechuky
João levou dois tiros de espingarda.

Vizinhas no Campo do Bastião, zona rural de Contenda, as famílias de Messias Crisóstemos, 70 anos, e de João Batista de Souza, 33, não se davam bem há algum tempo. As desavenças culminaram no assassinato de João, morto com dois tiros de espingarda disparados por Messias, da cerca de sua casa, na quarta-feira à noite. O homem tombou na estrada que acompanha uma roça e liga as duas residências.

Segundo a cunhada de João, Messias costumava gritar palavrões à esposa da vítima e a quem da família dela passasse em frente à sua casa. Porém, há cerca de um mês, Messias teria matado uma galinha e jogado a ave na casa da sogra de João. O caso foi parar na polícia, com queixa registrada. "Ele nem foi ouvido na delegacia", reclamou a mulher, que preferiu não se identificar.

Ela acreditava que Messias queria mesmo era matar Terezinha, mulher de João. O ancião teria dito que daria um tiro nela, conforme relatou a cunhada da vítima.

Logo depois do crime, o acusado do homicídio, de acordo com relato das testemunhas, teria entregado a arma a um de seus filhos e foi "escoltado" a pé, até a estrada principal da localidade. "Tinha uns 20, todos com ripas na mão. Acho que tinham medo que a gente segurasse ele até a polícia chegar", disse a cunhada de João.

O caso foi registrado pelos soldados Konik e Aguiar, do 17.º Batalhão da Polícia Militar.