Os bolivianos que entraram ilegalmente no Brasil e estavam envolvidos no acidente com um ônibus da empresa Aruama, de Foz do Iguaçu, têm até quinta-feira para deixar o País. Após o acidente, que vitimou quatro pessoas, 35 bolivianos foram encaminhados ao Hospital João de Freitas, em Arapongas. Destes, 27 já receberam alta e seguiram ontem para São Paulo , mesmo com o prazo para deixar o País expirando. Oito deles permanecem internados.

Os bolivianos que estavam sem passaporte foram autuados por infração à lei 6.815/80, já que não tinham autorização para entrar no País e foi dado a eles um prazo de oito dias para deixar o Brasil.

Apesar de a maioria dos passageiros do ônibus da Aruama assegurarem que seguiam para São Paulo para fazer turismo, a Polícia Federal logo suspeitou de um esquema de tráfico de mão-de-obra e imediatamente abriu as investigações.

Segundo o delegado Kandy Takahashi, que cuida do caso, os donos da empresa Aruama serão ouvidos hoje. "Estamos investigando a entrada dos bolivianos no País e é importante conhecer o funcionamento da empresa", diz.

Os motoristas J.B.S., 55 anos; J.C.R., 48; e J.M.A.O., 47 foram presos depois do acidente. Eles foram acusados de introduzir e transportar estrangeiros sem a devida regularização de sua situação perante as autoridades migratórias brasileiras.