?Não agüentava mais. Quando chegava cansado do trabalho, encontrava minha mulher bêbada, na cama, e toda urinada.? Assim, o pedreiro João Maria Przebeovicz, 35 anos, explicou porque deixou a mulher dele trancada dentro da lavanderia da casa deles, em Araucária, na última quarta-feira. João Maria foi preso no mesmo dia, depois que policiais militares receberam a denúncia sobre o cárcere privado e arrombaram a porta do cômodo da casa, libertando a vítima.

O delegado Agenor Salgado o prendeu em flagrante pelos crimes de tortura e cárcere privado.

Na delegacia, a mulher contou que estava trancada na lavanderia desde o dia 25. Segundo ela, João Maria só a soltava à noite, quando chegava em casa. Depois de comer e tomar banho, ela voltava para o cômodo, onde ficava enclausurada, também, durante a noite. A filha, de seis anos, do casal, era deixada na casa de vizinhos durante o dia. Quando foi resgatada, a mulher estava com vários hematomas no corpo.

Preso desde então, João Maria alegou que só manteve a esposa presa por um dia, por que não suportava mais vê-la alcoolizada.

?Meus vizinhos a viram na rua com uma garrafa de cachaça na mão, durante os dias que disseram que eu a tinha trancado. Só fiz isso no último dia, pois estava farto de chegar em casa e vê-la toda urinada, jogada na cama. Não é fácil trabalhar o dia inteiro, chegar em casa e ver uma cena dessas. Tinha pena da minha filha, por isso a deixava com os vizinhos?, justificou o pedreiro.