Marginais perseguidos pela Polícia Civil perderam a direção do Punto prata em que fugiam e bateram na mureta central do viaduto da BR-277 sobre a Linha Verde, por volta das 10h de sexta-feira (03). O veículo, carregado com 415 pacotes de cigarros, era seguido por investigadores da Delegacia de Estelionatos e Desvio de Cargas (DEDC), que investigavam a quadrilha.

Depois do acidente, os marginais abandonaram o carro e desceram do viaduto rumo ao bosque do Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Jardim das Américas. Os policiais foram atrás e houve troca de tiros. Um suspeito foi preso e dois conseguiram entrar no mato.

De acordo com o delegado Marcelo Lemos de Oliveira, a ação dos investigadores começou no Cajuru, com a informação que os suspeitos estariam transportando material roubado. No local, foi preso Euclides Alves Sobrinho, 39 anos, com um Meriva. “Os outros dois suspeitos tentaram jogar o carro contra os policiais e conseguiram fugir”, explicou o delegado.

Átila Alberti
Euclides foi detido no Cajuru.

Pressa

Na fuga, os suspeitos se envolveram no acidente e conseguiram escapar. “A carga de cigarros estava no Punto. Como eles bateram o carro, se preocuparam mais em fugir e abandonaram o produto do roubo”, disse Marcelo Lemos.

Jardineiros que cortavam grama no canteiro central da Linha Verde viram um dos marginais tirar a calça de agasalho que vestia e deixá-la perto do acostamento antes de continuar correndo. Um vigilante da universidade pegou a calça e colocou-a dentro do colete.

Quando a polícia chegou, a roupa já não podia servir de referência para o faro dos cães na busca.

Mato

Policiais militares, guardas municipais e investigadores da DEDC vasculharam o bosque, com apoio de helicóptero, mas os fugitivos não foram encontrados. Até a retirada do Punto, a pista da BR-277, sentido Centro, ficou parcialmente bloqueada. Os dois carros, o homem preso e a carga foram encaminhados à DEDC.

Na delegacia, Euclides disse que a função dele era de apenas dar apoio aos bandidos. O homem, que já tem passagem por roubo, confessou que fazia parte do grupo. “Eles me pediram um favor, mas não disseram quanto eu ganharia por isso. Não vou falar quem são os outros dois homens”, disse Euclides. Com ele, os policiais apreenderam um revólver calibre 38.