Investigadores da delegacia de Campo Largo interrogaram os três indivíduos que mataram Reginaldo Artigas dos Santos, 25 anos, a tiros e a machadadas na segunda-feira. Como estavam fora do período de flagrante, o trio foi ouvido e liberado. Segundo a polícia, ao que tudo indica Reginaldo não foi vítima de crime passional, mas de seu envolvimento com drogas.

De acordo com o investigador Gogola, da delegacia local, o trio relatou que Reginaldo foi até a casa de Diego Vieira Pinto, 20, e Adriano da Silva, 24, e os agrediu com barras de ferro e pedaços de pau. Na segunda-feira desta semana, Adriano e Diego teriam recebido novas ameaças e pedido ajuda a Adilson Danália de Paula, 26.

Os três foram à casa de Reginaldo, que os teria recebido no portão, com a machadinha. Adilson atirou e, ferido, Reginaldo correu para dentro de casa. Adriano apanhou o machado das mãos da vítima e desferiu dois golpes na cabeça dela.