O cerco realizado pelas polícias militar e civil facilitou a prisão na madrugada desta segunda-feira (6) dos acusados de assassinar o sargento Flávio Rogério Padilha e o soldado Nelso José Prebianca, crime ocorrido no dia 29 de agosto em um assentamento de agricultores em Honório Serpa.

Os acusados se entregaram à polícia civil de Pato Branco, sudoeste do Paraná, e foram encaminhados à 15ª Subdivisão de Polícia Civil de Guarapuava, onde estão presos provisoriamente.

O agricultor Ivandor Ramos, de 44 anos, e seus filhos Júlio Cesar dos Santos Ramos, de 19, e Nelson Fernando dos Santos Ramos, de 22, estavam com mandados de prisão em aberto. Os policiais teriam sido assassinados por Ivandor quando tentavam solucionar uma briga entre os dois filhos do acusado. Eles foram presos a 10 quilômetros da cidade, em uma área rural.

“Se não houvesse esta rendição, enquanto o trio não fosse preso, nossas buscas não cessariam”, afirma o comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, Coronel Luiz Rodrigo Larson Carstens.

O tenente-Coronel José Vilmar Becker, comandante do 3º Batalhão da PM em Pato Branco, afirma que o resultado se deu em razão da união de esforços para a efetivação das prisões.

Segundo o delegado da 5ª Subdivisão Policial de Pato Branco, Ivonei Oscar da Silva, os três se entregaram depois de um trabalho de convencimento realizado pelos familiares e uma negociação junto à polícia.

“Aceitaram a rendição, até porque todas as saídas da cidade estavam fechadas e os locais sendo vistoriados”, informou. Segundo o delegado, o resultado da ação demonstra o preparo das polícias do Paraná, bem como a qualidade dos trabalhos realizados em conjunto.

No momento da rendição, eles não esboçaram qualquer reação, e Ivandor entregou a arma. Durante as investigações, foram apreendidas outras três armas de fogo (espingardas) pertencentes aos acusados, e presa também a esposa de Ivandor, por co-autoria. Ela estaria com a arma e a teria fornecido para Ivandor atirar contra os policiais.

Buscas

Desde o dia do crime, uma operação conjunta foi desencadeada para prender os acusados. Participam das ações, policiais militares dos 3º e 16º Batalhões da PM, unidades especializadas da PM na região, da Companhia de Polícia de Choque, além da Polícia Civil (5ª Subdivisão e Denarc) e do Grupamento Aéreo da Secretaria de Segurança Pública, com o helicóptero.