Foto: Daniel Derevecki

Hamilton se preparava para jantar, quando foi chamado ao portão.

O tratorista da Infraero Hamilton Licheski, 37 anos, foi morto com quatro tiros à queima-roupa disparados por um motoqueiro que o chamou no portão de casa, na Rua Nelson Pereira da Souza, Fazenda Velha, em Araucária, às 20h de segunda-feira. Antes de sacar a arma, o matador entregou um bilhete e, em seguida, atirou.

A esposa de Hamilton, Helena Aparecida de Menezes, contou que ele chegou em casa do trabalho e se preparava para jantar, como fazia todos os dias. Poucos minutos depois, ela foi atender alguém que batia palmas no portão.

Um motoqueiro de capacete verde pediu pelo marido, que foi até o portão. Ela contou que, de dentro de casa, ouviu o homem dizendo ?isso é para os outros dois, porque pra você eu tenho outra coisa?, em seguida ouviu os tiros. O bilhete ameaçador estava ao lado do corpo: ?Aos outros dois fica o aviso, curtam a vida enquanto podem?.

Som

Hamilton, a esposa Helena e o filho de quatro anos moravam na casa há pouco mais de um mês e ainda nem conheciam os vizinhos. No sábado, para comemorar a conquista da casa própria, a família fez um churrasco e reuniu alguns amigos. ?Não era uma festa, nós só assamos um pouco de carne e ficamos ouvindo umas músicas?, contou a mulher.

Por volta das 22h30, um morador da região foi até a casa e, de forma agressiva, pediu que abaixassem o som. ?Ele estava muito irritado e disse que só não matava meu marido, porque não tinha uma arma naquela hora?, relatou Helena. O vizinho, com uma barra de ferro, amassou a lataria do carro de um convidado.

Busca

Com o bilhete em mãos, policiais militares e civis foram à residência do suspeito. Segundo o soldado Fábio, não havia ninguém no local. A Polícia Civil vai ouvir depoimentos de amigos de Hamilton e investigar todas as hipóteses para o crime.