Fábio Alexandre
Suspeitos: Clevenice, Marco, Edson, Alexandre, Célio e Rodrigo.

Uma quadrilha especializada em assalto a bancos foi desarticulada na manhã de ontem durante uma operação conjunta entre o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) e o Grupo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especiais (Tigre). Foram presos Edson José da Silva, 32 anos, Rodrigo Jéferson Straioto, 27, Célio Afonso Silva de 33, Marco Aurélio Monteiro de 29,e Clevenice Nascimento, 43. Além deles João Francisco Soares, 30, e Alexandre Luiz Falcão, 23, já estavam estavam presos. Foram apreendidas uma espingarda calibre 12 e uma pistola calibre 45, de uso exclusivo das forças armadas.

Segundo o delegado-chefe do grupo Tigre, Riad Farhat, a quadrilha seria responsável por vários assaltos a agências bancárias, entre elas, a do Banco do Brasil em Matinhos, em março deste ano, e do Banco Real em Curitiba, em dezembro de 2006. ?As investigações começaram logo depois do assalto em Matinhos, onde o gerente e a tesoureira da agência foram seqüestrados?, explicou.

Reação

As prisões foram simultâneas, no início da manhã. Edson foi preso na periferia de Florianópolis e Rodrigo em Rebouças, interior do Estado. No mesmo horário, o grupo Tigre prendia Célio e Marco Aurélio, em uma casa de Almirante Tamandaré. ?Eles ficaram alojados e tivemos que lançar bombas de gás lacrimogêneo para que eles saíssem?, explicou. Mesmo cercado, Marco Aurélio conseguiu subir no telhado da casa e com uma pistola atirou contra os policiais. No revide foi atingido com dois tiros. ?Nós já sabíamos que os dois eram muito perigosos. Por precaução usamos bombas de gás, mas mesmo assim houve reação?, explicou o delegado do grupo Tigre.

A única mulher do grupo foi presa no Boqueirão. Na casa de Clevenice os policiais encontraram uma espingarda calibre 12, pertencente à Polícia Civil, roubada do 7.º Distrito Policial durante a rebelião ocorrida em outubro de 2004.

Reincidentes

Com exceção de Clevenice, todos já possuem passagens pela polícia, alguns por roubo, receptação ou homicídio. ?Além desses crimes, que eles já estão implicados, vão responder também por  roubo, formação de quadrilha, receptação?, disse Riad. ?Nas outras ocasiões em que foram presos, ficaram poucos dias na prisão?, relatou.