Weslendro e Alexssandro acabaram se dando mal.

Estão na cadeia os dois acusados de matar o professor Teófilo Bacha Filho, 58 anos, na madrugada de segunda-feira. Os garotos de programa Wesleandro Ribeiro dos Santos, vulgo “Baiano”, 21 anos, e um adolescente de 17, capturados terça-feira à noite na cidade de Itapoá, litoral Norte de Santa Catarina, relataram com riqueza de detalhes como o crime foi praticado. Outro detido é Alexssandro Pimentel, 22 anos, que recebeu em casa os produtos roubados da vítima e é suspeito de dar cobertura à ação.

Na manhã de terça-feira, a Delegacia de Homicídios já havia apontado Wesleandro e o menor como autores do crime. Objetos retirados da casa do professor foram encontrados na residência de Alexssandro, no bairro Eucaliptos, em Fazenda Rio Grande – ele havia fugido, mas a amásia Maria Cristina Cândido dos Santos, 26 anos, foi autuada em flagrante por receptação. Numa casa da tia do menor, em Itapoá – endereço apontado pela DH – policiais da Operação Verão e Delegacia de Furtos e Roubos, com apoio da polícia de Santa Catarina, localizaram e prenderam os três acusados.

Encontros

“Baiano”, que dançava axé numa casa noturna do Centro de Curitiba, disse que conhecera Teófilo há cerca de dois meses. O preso conta que desde então fez cerca de 15 programas na casa do professor, sempre em companhia do adolescente. “O preço combinado era de R$ 50, mas às vezes ele só pagava R$ 20”, relatou “Baiano”, que antes trabalhava como atendente numa famosa rede americana de fast food.

O encontro da noite de domingo foi combinado na véspera. “Baiano” e o adolescente chegaram às 21h30 no apartamento da vítima, no Bigorrilho. Saíram com o professor para comprar pizza, voltaram, tomaram vinho e assistiram a um filme. “Fomos deitar à 1h”, contou “Baiano”, que disse ter feito o programa combinado.

Foi “Baiano” quem acertou o primeiro golpe na cabeça do professor, usando um vaso. “Ele estava sentado na cama, nu, e ficou tonto. Não chegou a reagir”, falou o acusado. Depois o menor quebrou uma banqueta de madeira na cabeça da vítima. Como Teófilo ainda se debatia, o estrangularam com uma cinta e um cabo de antena de televisão.

Premeditação

Os dois ficaram dez minutos no apartamento, recolhendo cartões de crédito, R$ 35 em dinheiro, celular e outros objetos. Fugiram com o Honda Civic do professor e foram até a casa de Alexssandro, em Fazenda Rio Grande, onde deixaram boa parte dos objetos. Ao meio-dia de segunda-feira, “Baiano”, o menor e Alexssandro fugiram para Itapoá, hospedando-se na casa da namorada do adolescente. Lá circularam com o Honda Civic da vítima, como se nada tivesse acontecido.

Segundo o delegado Luiz Carlos de Oliveira, chefe da Divisão de Crimes contra o Patrimônio da Polícia Civil, “Baiano” já comentava há 15 dias que pretendia matar o professor. “Na verdade só queria dar uma volta com o carro. Não planejamos a morte, foi coisa de momento. Bateu o arrependimento, mas já era tarde”, alegou.

O delegado suspeita também que Alexssandro ficou do lado de fora do prédio, aguardando o crime ser cometido para fugir com os autores. O acusado nega, mas confirma ter abrigado o menor e “Baiano”. “Tive que fugir junto porque sabia que a polícia estava atrás e não tinha mais volta”, justificou. Os acusados, que não tinham passagem pela polícia, estão presos na Delegacia de Furtos e Roubos e do Adolescente.