Átila Alberti
Zemiro era ameaçado de
morte no Jardim Holandês.

O celular do aposentado identificado por Zemiro dos Santos, 51 anos, tocou insistentemente na manhã do último sábado, mas o homem estava morto, caído em uma valeta na Rua São José, esquina com a Rua Saci, no Jardim Holandês, em Piraquara. Foi por meio dessa ligação não atendida, que um amigo da vítima suspeitou do destino de Zemiro.

A área deserta e habitada por poucos moradores foi a escolhida para a execução do aposentado, que morreu com um tiro no peito, disparado provavelmente de um revólver calibre 38. Havia também outros ferimentos na cabeça,que seriam avaliados em exames posteriores.

Zemiro foi encontrado por volta das 7h da manhã, por uma pessoa que passava pela rua e o viu caído na valeta. Um morador próximo contou à polícia que, por volta de meia-noite, ouviu vários tiros, mas não saiu para ver o que acontecia.

Rádio

O aposentado foi identificado por um amigo, que escutava um programa policial de rádio. Ele ligou insistentemente para o celular de Zemiro, que não atendeu. Pelas características descritas na notícia e por não conseguir contato pelo celular, resolveu ir até o local, onde se deparou com o amigo morto.

Há algum tempo, o aposentado havia contado a seu amigo que, apesar de ser morador do Jardim Holandês, não poderia mais voltar àquela região, pois havia se desentendido com algumas pessoas e estava jurado de morte. Um morador contou que sempre via Zemiro em um bar da região, e que, na sexta-feira anterior à sua morte, o homem ficou durante toda a tarde bebendo no estabelecimento.