Centenas de pessoas participaram da passeata.

Cerca de trezentas pessoas participaram, ontem à tarde, em Curitiba, de um protesto contra a morte do estudante Anderson Frose de Oliveira, 18 anos, acontecida durante abordagem policial, no último dia 2. Com faixas e cartazes, os manifestantes se concentraram na Boca Maldita e seguiram até à Praça Santos Andrade, em frente à Universidade Federal do Paraná. Eles pediam justiça e o afastamento dos policiais envolvidos nos crimes.

Além dos pais e amigos do Anderson, outros parentes de jovens mortos por policiais aproveitaram o ato para protestar. Luci Mara da Silva Mesquita – mãe de Pablo da Silva Mesquita, 23 anos, morto em 27 de abril deste ano -, entende que é preciso uma mobilização da sociedade para cobrar justiça e redução na criminalidade na capital. “Todos os dias estão morrendo jovens em Curitiba. Só na noite em que meu filho foi assassinado, outros onze jovens morreram”, disse Luci Mara. Ela acrescenta que a dor de perder o filho é tão grande quanto a revolta de saber que os envolvidos pertencem a segurança pública.

Pablo foi morto com um tiro na nuca, quando voltava para casa, depois de se envolver em uma briga em um bar no Centro Cívico. Os envolvidos no crime são os mesmos que pertencem a uma quadrilha de roubo de caminhonetes. Dos vinte envolvidos, catorze foram presos e seis continuam foragidos, entre eles, um policial militar. Luci Mara afirma que ela e outros pais irão se mobilizar e criar um grupo para acompanhar as investigações de assassinatos de jovens na cidade, assim como, exigir a prisão dos autores.