O adolescente L.R.O., 16 anos, se apresentou na Delegacia de Homicídios e assumiu ser o autor do disparo que matou o jovem Gilmar Cardoso, 23 anos. O crime ocorreu por volta das 6h de sábado, na Rua Major Theolino Ferreira Ribas, n.º 1.484, Vila Hauer.

Horas depois do crime a polícia deteve Eliezer Rodrigues de Souza, 20 anos, e Clóvis Rafael Pires, 19 anos. “O Eliezer estava sendo autuado em flagrante quando surgiram dúvidas sobre a autoria do delito. Por este motivo o delegado resolveu indiciar os dois em inquérito policial como co-autores do homicídio”, esclareceu Neimir Cristóvão, superintendente da Delegacia de Homicídios.

Dúvidas

O menor, segundo a polícia, brincava com a arma, quando disparou acidentalmente e atingiu a cabeça de Gilmar. “Ele foi conduzido à Delegacia do Adolescente que deverá tomar as providências”, informou Neimir. Ele assegurou que com a apresentação do menor, o caso ainda não está resolvido. “A história contada é confusa e será esclarecida com os laudos, que deverão sair nos próximos dias”, acrescentou.

Novas testemunhas serão ouvidas nos próximos dias. Algumas, segundo o superintendente, já adiantaram que o crime não foi acidental nem briga por causa de drogas. “Realmente eles estavam usando drogas dentro da casa. Mas o verdadeiro motivo do crime teria sido desavença por causa de produto de furto”, informou o investigador.

Familiares da vítima informaram à polícia que Gilmar guardava com um aparelho de som que teria sido furtado por Eliezer. Horas antes do crime, Gilmar, Eliezer e um outro rapaz teriam praticado um assalto. “No momento da divisão, Eliezer se recusou a dar a parte de Gilmar, alegando que estavam quites porque ele estaria de posse do som. Isto teria gerado a confusão e conseqüentemente a morte do jovem”, enfatizou Neimir.

Inocente

Familiares de Eliezer entraram em contato com a Tribuna e garantiram que ele é um bom rapaz e não teve passagens pela polícia, após completar a maioridade.