Um homem que acessava conteúdos de pornografia infantil em uma lan house, no bairro Uberaba, foi preso no domingo (23). Ele é foragido da Justiça de Minas Gerais e São Paulo, acusado de pedofilia.

O Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) descartou, na tarde desta sexta-feira (28) a participação dele no assassinato de Rachel Genofre, de 9 anos. A menina foi violentada e encontrada morta dentro de uma mala na rodoviária de Curitiba em novembro de 2008.

Mesmo assim, o homem terá o material genético colhido para ser confrontado com outros suspeitos de crimes desse tipo. A Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) informa que a coleta de material é um procedimento padrão em casos de pedofilia desde a morte da menina.

Uma rádio da capital havia informado que o suspeito teria relação com o pai de Rachel e, portanto, seria suspeito do crime. Entretanto, a SESP esclarece que somente depois do resultado dos exames poderá ser divulgada alguma informação satisfatória sobre o caso.

Mais informações na edição de sábado dos jornais O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná.