Policial mostra documento de Claudinei.

Claudinei Cândido da Silva, o Nei, de 30 anos, foi morto com seis tiros por volta das 19h15 de anteontem, no bairro do Uberaba, em Curitiba. Outros projéteis acertaram o muro e o portão de duas casas próximas. Nei, também conhecido como “Neguinho”, foi acusado de ter liderado um assalto, na noite de terça-feira passada. Moradores disseram à polícia ter ouvido cerca de quinze tiros, mas ninguém soube repassar alguma característica dos assassinos.

Há cerca de um mês, Nei havia alugado uma casa a poucos metros do local do crime. De acordo com levantamento preliminar da Polícia Científica, o rapaz foi atingido por dois tiros na cabeça, dois nas costas, um na mão e outro na perna, provavelmente por revólveres de calibre 38. Um passaporte, emitido em junho deste ano, estava na pasta que a vítima carregava e foi recolhido pela polícia.

Na última terça-feira, Claudinei foi apontado como mandante de um assalto a uma loja de equipamentos de som automotivos, na Vila Hauer. Naquela noite, Marcos Lopes de Chaves, 24, e Carlos dos Santos, 24, alegaram ter sido obrigados, mediante ameaças de Nei, a cometer o assalto. Porém, antes de a dupla ser detida pela PM, ele teria conseguido fugir em um Santana.

Luiz Fernando, marido de uma prima da vítima, contou que Nei não trabalhava e dizia que recebia uma mesada da mãe, que mora em Rondônia. “Ele disse que não tinha participado do assalto e que se apresentaria à delegacia com advogado”, relatou Luiz. Segundo Luiz, a vítima tinha um Santana.

Nei já tinha passagem pela Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), o que reforça a suspeita de seu envolvimento com outros delitos.

Nei, que morava em Fazenda Rio Grande e se preparava para mudar para a casa alugada no Uberaba, deixa viúva e uma filha de apenas 10 dias.