O deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), um dos vice-líderes do governo na Câmara, afirmou que faltou ao Copom "coerência com a realidade" econômica ao decidir-se por um corte de 0,75 ponto porcentual na taxa básica (Selic) de juros.

Segundo o deputado, todos os indicadores apontavam para a possibilidade de uma decisão menos conservadora. Entre esses dados, Albuquerque mencionou, especialmente, o equilíbrio das contas públicas e o controle da inflação.

"Não há nenhuma razão, nenhum problema que justifique manter o juro tão alto", disse o parlamentar, considerando que o voto de três diretores em favor de um corte de um ponto porcentual na Selic foi mais coerente com a realidade. "Seria importante avançar mais neste momento, para dar um oxigênio à economia e melhorar a questão cambial", concluiu o vice-líder.