O gigantesco projeto de transposição das águas do São Francisco não avançou no primeiro mandato de Lula, mas foi incluído como prioridade do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Contudo, dom Luiz Cappio, bispo da diocese de Barra (BA), o mais resoluto opositor do projeto, promete reagir mais uma vez. O religioso se notabilizou pela greve de fome de onze dias, feita há dois anos, ao protestar contra a interferência de obras físicas no curso do Velho Chico.

Dom Cappio voltou a se manifestar sobre o assunto, assinalando a negativa do governo de sequer conversar com os interessados, ?por ter vergonha de falar a verdade do projeto?, segundo revelou ao jornal O Estado de S. Paulo.

O governo arquivou temporariamente o projeto frente o forte clamor popular suscitado pela atitude do bispo, assumindo o compromisso de dialogar sobre a política mais indicada para a região do semi-árido, alvo dos hipotéticos benefícios da transposição das águas.

O Ibama concedeu a licença ambiental para o início das obras no dia 23 de março último, e a ordem de serviço para a primeira etapa já foi assinada pelos Ministérios da Integração Nacional e Defesa. O Exército vai construir dois canais de aproximação do rio com as estações de bombeamento, no valor de R$ 26 milhões.

Depois entram em campo as grandes empreiteiras fascinadas pelos R$ 3,3 bilhões da suculenta licitação.