Brasília – A valorização do real frente ao dólar, que tem colocado a moeda norte-americana na faixa dos R$ 2,10, segura a inflação, um dos principais temores do Banco Central em relação ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A opinião é do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que, em entrevista exclusiva à Agência Brasil, disse que dólar em baixa ajuda o país a buscar produtos em outros lugares, caso haja aumento de preços internamente.

"Dificilmente, com o câmbio no patamar em que está, vamos ter inflação", afirmou Paulo Bernardo. Segundo ele, a economia brasileira é muito aberta, o que facilita o comércio exterior. "A corrente de comércio [exportações mais importações] pode chegar a US$ 250 bilhões. Isso é muito bom. Significa que, se nós tivermos um produto que falte aqui, e isso leve à alta do produto, poderemos substituí-lo por importados".

O ministro reconheceu que a apreciação do real pode, "eventualmente", prejudicar alguns setores produtivos e, conseqüentemente, ameaçar o sucesso do PAC. Ele não acredita, entretanto, no enfraquecimento da indústria brasileira porque o governo saberá agir para protegê-la. "O que nos preocupa – e nós temos procurado prestar atenção – é se esse dólar pode prejudicar algum setor. O governo talvez tenha que adotar medidas como crédito mais barato ou desoneração tributária".

Por outro lado, o dólar em baixa tem proporcionado a modernização da indústria, o que, para o ministro, é um "prenúncio de que teremos um crescimento econômico vigoroso". A importação de máquinas e equipamentos pelos empresários reflete, segundo o ministro, o aquecimento da economia. "Há toda uma modernização, e isso tende a nos tornar mais competitivos para produzir melhor e exportar mais ainda".

Sobre a atuação do Banco Central no mercado, para diminuir o volume de dólares em circulação e, assim, valorizar a moeda estrangeira, Paulo Bernardo afirmou que, "apesar de ter um custo fiscal momentâneo", proporciona mais credibilidade e mais estabilidade ao Brasil. "Quais os países que têm US$ 100 bilhões de reservas hoje? A maioria que tem é exportador de petróleo. Estamos melhorando ainda mais os nossos indicadores", comentou.

As reservas internacionais brasileiras atingiram US$ 98,2 bilhões graças à política adotada pelo Banco Central, desde 2004, para aumentar o estoque de moeda estrangeira. De acordo com o ministro, isso torna o país mais protegido no caso de uma eventual crise internacional.

A valorização do real é conseqüência "do bom momento econômico que nós estamos passando", comentou Paulo Bernardo, reafirmando que o país não vai mudar a política de câmbio flutuante. "As boas condições da economia do Brasil estão levando o dólar a flutuar para baixo. Isso é uma coisa temporária, que vai se acomodar".