Ao menos 93 pessoas morreram nesta terça-feira (06) e 154 ficaram feridas em ataques perpetrados por dois suicidas com explosivos no meio de uma multidão de peregrinos xiitas que se dirigiam para um santuário ao sul de Bagdá. O ataque coordenado ocorreu na principal rua de Hilla, cerca de 95 km ao sul de Bagdá, disse o capitão Muthana Khalid.

Um cinegrafista da Associated Press relatou que os homens-bomba atacaram a multidão de peregrinos dentro de uma área reservada para pedestres. Os dois homens vestindo cintos com explosivos se misturaram aos peregrinos enfileirados para serem revistados num posto de checagem antes de uma ponte e promoveram a detonação, disse o comandante regional da polícia, general Othman al-Ghanemi.

O sangrento ataque foi apenas um de vários ocorridos hoje na região central do Iraque contra fiéis xiitas a caminho de um santuário em Kerbala para celebrações no fim de semana.

Os ataques acontecem no dia em que o Exército dos Estados Unidos anunciou a morte de nove de seus soldados ontem, num dos dias mais mortíferos para as tropas americanas no Iraque em quase um mês. Seis soldados foram mortos na explosão de uma bomba perto de veículos em que estavam durante uma operação de combate na província de Salahuddin. Três outros ficaram feridos. Outros três morreram na província de Diyala por causa da explosão de uma bomba de beira de estrada.

Trata-se do pior dia para os soldados americanos no Iraque desde sete de fevereiro, quando 11 militares dos EUA perderam a vida – sete no abatimento de um helicóptero e quatro em operações de combate. As baixas de ontem elevam a 3.184 o número de soldados americanos mortos no Iraque desde março de 2003, quando forças estrangeiras lideradas pelos EUA invadiram o país árabe em busca de armas de destruição em massa que nunca vieram a ser encontradas.