São Paulo – A União Nacional dos Estudantes (UNE) começa nesta semana a distribuir o material da campanha Nosso Futuro Não Está em Liquidação, que se estenderá até dezembro com o objetivo de mobilizar os Diretórios Centrais de Estudantes (DCEs) das instituições privadas de ensino superior contra a ?mercantilização do ensino?.

A proposta é pela redução das mensalidades e aprovação do Projeto de Lei 6489/06, para regular os aumentos. O projeto foi enviado ao Congresso há um ano, segundo Daniele Costa, diretora de Comunicação da UNE.

O aumento ?abusivo? de mensalidades é exemplificado por pesquisa divulgada nesta terça-feira (7) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Nos últimos dez anos, no município de São Paulo, bens e serviços escolares foram reajustados em 30,9% acima da inflação, que foi de 120,60%. A pesquisa inclui todos os níveis de educação, da pré-escola ao ensino superior, onde foi registrado o maior aumento, de 154,43%.

Cornélia Porto, responsável pela pesquisa do Dieese, ressaltou que a pesquisa foi divulgada para orientar o público no último bimestre do ano, época em que as escolas definem e negociam com pais e estudantes os valores para o ano seguinte.

A diretora de Comunicação da UNE acrescentou que a campanha terá como enfoque a mobilização dos estudantes de instituições privadas: ?A UNE defende a expansão das vagas públicas [ao ensino superior]. A UNE considera que o Estado deve assegurar o direito do estudante de ter acesso à universidade?.

De acordo com Daniele Costa, a agenda da campanha será criada a partir do diálogo entre os organizadores e os DCEs. As instituições privadas de ensino superior ainda não se manifestaram sobre a campanha da UNE ou a pesquisa do Dieese.