O futebol é mesmo o esporte mais imprevisível do mundo. Só assim se explica o que pode acontecer na partida decisiva entre Coritiba e Paranavaí, que vai apontar o campeão paranaense de 2003. O primeiro jogo, em Paranavaí, terminou empatado em 2 a 2 e agora o Coxa tem a vantagem de poder empatar novamente para ficar com o título. Até aí, nada de mais, afinal este direito foi conquistado ao longo da competição.

Mas o que chama a atenção é que, se realmente acontecer um empate, tanto o campeão, no caso o Coritiba, quanto o vice, terminariam o campeonato de forma invicta. Isto nunca aconteceu na história do futebol paranaense e acredito que também seja inédito no futebol mundial. É caso para entrar para o Guinness Book, ou pelo menos para o Guia dos Curiosos.

Já é difícil sair um campeão invicto, tanto que a última vez que isto aconteceu no campeonato paranaense foi em 1936, quando o Atlético ficou com o título. Imagine então campeão e vice sem perder um único jogo? Pois é exatamente isto que pode acontecer domingo, dia 23, às 17h, no Estádio Couto Pereira, em Curitiba.

Até hoje, apenas quatro times conseguiram a façanha de conquistar um título estadual de forma invicta. O primeiro foi o Internacional, em 1915, quando o campeonato era disputado por apenas seis times. O segundo título invicto saiu quatorze anos mais tarde, em 1929, com o Atlético colocando a faixa de campeão.

Em 1935, o Coritiba é que conquista o troféu sem perder nenhuma partida. E no ano seguinte, novamente o rubro-negro repete a façanha. Portanto, se o Coritiba conquistar mesmo o título no domingo, vai se igualar ao seu arquirival no número de títulos invictos.

E enquanto Coritiba e Atlético “disputam” para saber quem tem mais títulos invictos, o Paraná segue, junto com mais sete renegados, sua batalha por reconhecimento, entenda-se como mais grana, por parte do Clube dos 13. A guerra está declarada. E não tem nada com a invasão do Bush no Iraque. Mas mesmo assim pode mexer com sua rotina, especialmente se você gosta de futebol.

É que o G-8, que não é o grupo dos sete países mais ricos do mundo e mais a Rússia, pode, mesmo sendo minoria, adiar o campeonato brasileiro da primeira divisão. Cansados de reclamar e não ser atendidos, os oito times que não fazem parte do Clube dos 13, promete fazer muito barulho desta vez e não estão dispostos a ceder. Tudo por que eles não concordam com a divisão de quotas da televisão.

Enquanto os integrantes do Clube dos 13 repartem a maior parte do bolo entre eles, o G-8 tem que se contentar com as migalhas. Cada um dos renegados vai receber R$ 2,5 milhões para bancar as despesas nos oito meses de campeonato.

Pelo menos esta guerra tem fundamento, enquanto que a guerra entre EUA e Iraque…

Carlos Henrique Bório (esportes@parana-online.com.br) é repórter de Esportes em

O Estado.