Foto: Lizandra Tadaieski
Metalúrgicos acompanharam na
porta do TRT o julgamento.

Depois de quatro dias e meio de paralisação o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PR) julgou hoje, pela manhã, a legalidade da greve na Volkswagen-Audi. Foram mais de duas horas de audiência que foi acompanhada por cerca de 300 metalúrgicos que organizaram manifestação em frente ao Tribunal.

A greve foi julgada legal e a empresa terá que pagar os dias de paralisação aos trabalhadores. Os metalúrgicos conquistaram redução da jornada de trabalho de 42 para 40 horas semanais, não renovação do Banco de Horas e de Participação dos Lucros e Resultados (PLR) no valor de R$ 2.950,00 por funcionário.

Após a decisão do Tribunal a juíza Wanda Santi Cardoso da Silva, que presidiu a sessão, determinou o retorno imediato ao trabalho. Hoje a partir das 14h45 o segundo turno de trabalho da empresa volta normalmente às atividades. Durante o período de paralisação a fábrica em São José dos Pinhais deixou de produzir cerca de 2.025 veículos.

A empresa ainda pode recorrer da decisão, mas o Sindicato espera que o bom senso nas negociações passe a imperar nas relações entre patrão e empregados na Volkswagen. “Os trabalhadores estão unidos e o poder judiciário verificou a legitimidade das reivindicações”, afirmou Sérgio Butka, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba. “Essa vitória se deve acima de tudo a união dos trabalhadores que sempre acreditaram no movimento, mesmo diante das constantes negações da empresa em negociar”, ressaltou.

Para o Sindicato dos Metalúrgicos os pontos mais importantes foram a conquista da redução da jornada de trabalho e o fim do banco de horas. “Diminuir as horas de atividade representa diretamente melhoria nas condições dentro da Volkswagen-Audi”, afirmou Butka.