A ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Eliana Calmon, responsável pelo inquérito sobre a chamada máfia das obras públicas, desmantelada pela Polícia Federal (PF) na Operação Navalha, determinou o relaxamento das prisões preventivas de João Alves Neto – filho do ex-governador de Sergipe João Alves Filho – e do funcionário público do Estado do Maranhão Geraldo Magela Fernandes da Rocha. No início da tarde, os dois prestaram depoimento à ministra, que os liberou em seguida.

Ontem, a ministra disse que a finalidade da prisão de suspeitos é a de desmantelar a quadrilha e conseguir acesso aos documentos e que, uma vez prestado o depoimento, não há mais motivo para ficarem presos.

Hoje também prestaram depoimentos o conselheiro do Tribunal de Contas de Sergipe Flávio Conceição de Oliveira Neto, o ex-deputado federal Ivan Paixão e o secretario de Infra-Estrutura do Estado do Maranhão, Ney Barros Bello. Os três já tinham sido postos em liberdade por decisão da ministra na sexta-feira. Durante a tarde de hoje, a ministra deverá ouvir os depoimentos de outros seis suspeitos, entre os quais o ex-governador do Maranhão José Reionaldo Tavares, também já libertado por hábeas corpus.