Manaus (AE) – Água, mantimentos e remédios chegaram a pelo menos 25 comunidades atingidas pela seca no Amazonas neste fim de semana, segundo o secretário do governo do Estado, José Melo, que coordena as ações de ajuda. Hoje à tarde aviões e helicópteros seguiram para municípios mais distantes, como Tabatinga e Atalaia do Norte. A estimativa é de que 197 mil pessoas em 914 comunidades tenham sido afetadas pela estiagem.

O governo federal enviou hipoclorito de sódio, para purificação da água, e 1.900 cestas básicas. "Mais 20 toneladas de medicamentos do estoque do governo estadual devem ser liberados amanhã (terça-feira)", afirmou o secretário.

As cerca de 60 pessoas que coordenam a ajuda se mudaram para a base aérea de Manaus, de onde estão saindo os aviões e helicópteros. "Qualquer erro vai significar grandes gastos e mais uma comunidade esperando, então vamos ficar perto das pistas, organizando in loco o sobe e desce dos aviões e o embarque dos alimentos e remédios", disse.

De acordo com Melo, amanhã (18) seguem barcos da Marinha para Eirunepé, Caruari, Beruri, Codajás, Coari, Tefé e Uarini. Perto dos municípios barcos menores assumem o transporte, para evitar o encalhe, pois há pouquíssima água nos rios da região.

Em Manaus, faltam algumas frutas e verduras nas feiras e mercados. Feirantes da Manaus Moderna não estão recebendo mais alface, tomate e repolho, proveniente de Iranduba, a 25 quilômetros de Manaus. Segundo a dona de casa Joana de Deus Araújo, de 50 anos, pacus que ela comprava a cada 15 dias na feira por R$ 40 agora estão sendo vendidos por R$ 110.