O presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, encaminhou, há pouco, ao Conselho de Ética, as quatro últimas representações que pedem a cassação que estavam em seu poder. São as dos deputados Romeu Queiroz (PTB-MG), José Dirceu (PT-SP), Sandro Mabel (PL-GO) e Francisco Gonçalves (PTB-MG).

Com os novos pedidos enviados, agora o Conselho de Ética analisa nove pedidos de cassação. No entanto, Ricardo Izar, presidente do Conselho, promete agilidade para os processos e garante que serão feitos "com a maior velocidade possível". Izar afirmou que convocará uma reunião para amanhã que definirá os relatores das denúncias contra Dirceu, Mabel e Queiroz.

Segundo Izar, serão abertos três processos, com um relator cada. Ele informou ainda que esses três parlamentares têm até as 15h de amanhã para renunciar ao mandato e não perderem o direito político.

Já a denúncia contra o deputado Gonçalves será analisada por uma comissão de três deputados para analisar a viabilidade do processo. Izar justificou a diferença argumentando que não acredita no andamento do processo contra Gonçalves. O deputado é denunciado porque teria afirmado que viu uma mala sendo carregada dentro do Congresso Nacional e não a denunciou.

Izar já havia nomeado, na reunião de hoje do Conselho, uma comissão para analisar a admissibilidade das quatro representações encaminhadas por Severino Cavalcanti ao Conselho contra os deputados Sandro Matos (PTB-RJ), Neuton Lima (PTB-SP), Joaquim Francisco (PTB-PE) e Alex Canziani (PTB-PR).

A comissão terá como relator o deputado Nelson Trade (PMDB-MS), que será auxiliado pelos deputados Júlio Delgado (PSB-MG) e Ann Pontes (PMDB-PA). Izar pediu aos quatro deputados representados que apresentem, o mais rápido possível, suas defesas por escrito. O regimento interno do conselho dá prazo de até cinco sessões para defesa.