Brasília – Uma comissão formada por servidores públicos conseguiu protocolar, há pouco, no Palácio do Planalto, documento pedindo uma audiência com a chefe da Casa Civil da Presidência da República, ministra Dilma Rousseff. Eles pretendem discutir com a ministra o reajuste salarial dos servidores públicos que não foram beneficiados pela Medida Provisória 295, editada no início desta semana pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A MP concede aumento salarial a seis categorias de servidores públicos federais: funcionários do Banco Central, da área de ciência e tecnologia, fiscais federais agropecuários e pessoal de apoio à fiscalização agropecuária, professores do ensino superior, médio e fundamental da rede pública e servidores ativos do Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus), ligado ao Ministério da Saúde.

Segundo o secretário-geral da Confederação Nacional dos Servidores Públicos, Josenildo Costa, a assessoria da Casa Civil informou que o encontro dos servidores com a ministra poderá ser na próxima semana – terça (6) ou quarta-feira (7).

Os 50 servidores públicos em greve, que estavam bloqueando o trânsito em frente ao palácio, já se retiraram do local.

O diretor da Confederação Nacional dos Servidores Públicos Federais, Edílson Muniz, disse que o objetivo da manifestação foi pressionar o governo para retomar as negociações. "Nós viemos aqui dar apoio a nossa comissão, que foi tentar uma reabertura nas negociações com o governo. Nessa manifestação tem representantes dos sindicados de todos os estados da Federação", afirmou Muniz.

Estão em greve desde março os servidores do Plano de Classificação de Cargos do Ministério da Agricultura, da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Em maio, aderiram ao movimento servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).