O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) promoveu hoje a invasão de uma usina elétrica e a sede de um órgão do governo federal situados em municípios do sul da Bahia. Na Usina do Funil, da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), no município de Ubatã, os manifestantes ameaçam cortar o abastecimento de energia, o que provocaria um "apagão" na metade do território baiano.

São cerca de mil pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Assentados e Acampados do Sul da Bahia (conhecido como Ceta-Sul), que integra o MST. Eles teriam dominado quatro seguranças para abrir os portões e permitir a entrada das pessoas que ocuparam parte das instalações. O objetivo da ação, conforme os líderes do MST, é pressionar o governo a aumentar as áreas de assentamento e o crédito agrícola. A Delegacia de Polícia de Ubatã está acompanhando o caso.

No município de Itabela, 100 pessoas ligadas ao MST ocuparam a sede da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac). O portão de entrada do prédio foi arrombado, mas os seguranças não reagiram, o que evitou um confronto. A invasão, segundo os trabalhadores rurais, é para chamar a atenção para a morosidade da reforma agrária. As duas ações fazem parte do Abril Vermelho e, a princípio, não existe prazo para os manifestantes desocuparem, por conta própria, os locais invadidos.