Sozinho e de cara limpa, o mesmo assaltante já “visitou” três vezes a Casa do Pão de Queijo próxima ao Terminal do Guadalupe. A última ação dele, na terça-feira, foi registrada pelas câmeras de segurança do estabelecimento e os trabalhadores do local querem a divulgação das imagens, porque não aguentam mais a ousadia do marginal.

O último assalto foi no meio da tarde, por volta das 15h20. A trabalhadora que estava no caixa contou que ele não mostrou arma, mas fez menção de estar armado. “Ele falou que era para eu passar tudo e eu entreguei o que eu tinha. Ele queria mais e disse ’tô falando sério’. Fiquei com medo, porque realmente tinha entregado tudo e gritei ’calma, moço’ para que alguém percebesse”, relatou a moça, que preferiu não se identificar.

O comércio estava cheio e, ao perceber que tinha sido visto, o ladrão fugiu. De acordo com a funcionária, em cada roubo ele não levou mais do que R$ 100.

“Freguês”

Uma funcionária do estabelecimento, que preferiu não ter o nome divulgado, disse que o mesmo bandido cometeu três roubos, com um intervalo de aproximadamente 2 meses entre cada um deles. “Estou há quatro anos e oito meses aqui, e de seis meses para cá só que isso tem acontecido”, comentou. Uma outra loja da mesma franquia foi assaltada anteontem, na Rua Marechal Deodoro, e a suspeita é que o crime tenha sido cometido pelo mesmo rapaz.

Um segurança da região comentou que o suspeito é visto andando nas proximidades do Terminal Guadalupe com frequência. “Ele circula por aqui como se fosse a coisa mais normal do mundo”, afirmou. O suspeito identificado nas imagens, Anthoni Maicon da Cruz Munhoz, 25 anos, foi preso em junho do ano passado por um assalto a uma farmácia na Rua Monsenhor Celso, no Centro de Curitiba. Ele está sendo procurado pela Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) por esses outros crimes.

QUEIJO2

Assaltos tornaram-se frequentes

Quase “vizinha” à Casa do Pão de Queijo, a cabeleireira Neuza Maria Hoggs também foi vítima de assalto há cerca de um mês. Ela conferiu as imagens e acredita que não seja o mesmo bandido. “Só se ele cortou o cabelo, deu uma mudada. Mas deve ser da mesma gangue”, disse.

Neuza contou que o ladrão que invadiu o salão abordou primeiro uma cliente, e colocou a mão nos bolsos de um casaco como se estivesse querendo mostrar uma arma. “Eu me adiantei e fui logo passando os R$ 50 que tinha no bolso pra ele ir embora”, disse.
A cabeleireira conta que está na região há 14 anos, mas sente que, de um ano para cá, a segurança piorou muito. “Todo dia tem um assalto por aqui, geralmente entre às 15h e às 19h”.

Veja o vídeo dos assaltos:

PM se manifesta

Sobre a falta de segurança na região, a Polícia Militar afirmou que está fazendo o policiamento preventivo e ostensivo em toda a área Central de Curitiba, diariamente, inclusive nas imediações do terminal do Guadalupe, e que está com mais de 2 mil alunos soldados em formação. Assim que estiverem prontos, serão distribuídos em todo o Estado. Curitiba contará com a maior parcela deste efetivo. “A Polícia Militar atua com base nas estatísticas oficiais, adequando o policiamento para horários e dias específicos conforme apontado no mapa do crime feito pela Secretaria de Segurança Pública.”, diz a nota.

Receba notícias no seu Facebook!