Um vídeo que registrou três clarões da janela da investigador a Kátia das Graças Belo foi incluído no inquérito que investiga a morte da copeira Rosária Miranda da Silva, 44 anos. A imagem foi feita por uma câmera de segurança de uma empresa, localizada próxima da residência da policial, na região do Centro Cívico.

Com isso, a polícia acredita que o vídeo aponta que a investigadora desferiu três tiros e não um como afirmou em depoimento na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) há duas semanas.

A DHPP encontrou também um estojo deflagrado na parede do local onde Rosária foi atingida. O estojo, de um projétil calibre ponto 40, está no Instituto de Criminalística para perícia.

Kátia das Graças Belo foi indiciada por homicídio doloso (com intenção de matar). Ela teria disparado o tiro que matou a copeira, enquanto ela comemorava com colegas de trabalho o final do ano no dia 23 de dezembro, no Centro Cívico.

O advogado da família de Rosária, Ygor Salmen, acompanha o inquérito e confirmou a informação. O delegado Fábio Amaro, chefe da DHPP, não quis se pronunciar sobre o fato e informou que a polícia apenas se posicionará após a conclusão do inquérito. Segundo Salmen, há também relatos de testemunhas que viram os clarões.

O defensor de Kátia, Peter Amaro, afirmou que soube da existência do vídeo, mas, como ainda não teve acesso as imagens, prefere não se manifestar. Ele, no entanto, afirmou que a investigadora já havia ressaltado que soltou duas “bombinhas” antes de disparar.