Um homem morreu após ser eletrocutado dentro de uma estrutura que está aparentemente abandonada na Rua Marta Kateiva de Oliveira, no bairro Pilarzinho, em Curitiba, na manhã desta quarta-feira (20).

+Leia mais! Juiz barra pedido e Beto Richa segue preso no Complexo Médico Penal

O homem, disseram os policiais, ignorou os avisos de perigo e de alta tensão instalados no terreno e invadiu a estrutura, onde funcionava uma antiga emissora de TV por assinatura. O local tem torres de transmissão e muitas antenas ainda instaladas. De acordo com a polícia, o objetivo do homem era roubar fios de energia para tentar revendê-los em seguida.

Moradores chegaram a ouvir um forte barulho nas primeiras horas da manhã e logo em seguida chamaram os Bombeiros, que chegaram rapidamente, mas nada puderam fazer. O homem já estava morto.

Segundo vizinhos, o barulho pareceu com o estouro de uma bomba. “Quando saí para rua ouvi os gemidos de um homem. Um vizinho chamou os Bombeiros, mas eles não conseguiram o salvar”, disse o aposentado Alfredo Lazzari, vizinho do local.

O corpo do homem, ainda sem identificação, foi encaminhado para o Instituto Médico Legal e policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foram ao local colher informações sobre a morte.

Sem tranquilidade!

Moradores vizinhos da transmissora de TV afirmam que ter perdido a tranquilidade nos últimos quatro meses, quando foi retirado o vigilante que fazia a segurança do imóvel. Desde então, relata Lazzari, o imóvel da transmissora é invadido e saqueado a toda hora. “A gente vê eles passando pela rua com fiação, porta, alumínio, até torneira. Estão tirando tudo lá de dentro”, ressalta o aposentado.

O morador diz que até então a rua, que é sem saída, é tranquila. Mas desde dezembro, quando o segurança deixou de fazer vigia na guarita da TV, o sossego acabou. “Além do barulho e do entra e sai de gente na TV, começaram a haver assaltos e roubos na rua. Uma coisa leva à outra”, diz. “Agora, quando saímos de casa, um vizinho tem que avisar o outro. Perdemos a calma”, reclama o morador.

Apesar da concorrência da internet, locadoras ainda sobrevivem em Curitiba