A investigação da Corregedoria da Polícia Civil do Paraná apurou e concluiu que Luís Guilherme Gomes Mussi pode ter planejado que o policial civil Antônio Gabriel Castanheira Júnior invadisse o condomínio e protagonizasse as cenas que ganharam repercussão. A informação foi confirmada pela Corregedoria na tarde desta quarta-feira (24). Apesar disso, o policial, que continua afastado das funções, ainda é investigado pela conduta disciplinar.

O caso aconteceu no dia 18 de maio, em Campo Largo, Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Antônio Castanheira Júnior invadiu, armado, o condomínio de casas em que mora o empresário Luís Guilherme Gomes Mussi – dono da Rede Mercosul, onde mantém um contrato de comodato para uso de uma das residências. Tudo foi registrado pelas câmeras de segurança.

A Corregedoria concluiu que Luís Mussi pode ter planejado toda a ação, na intenção de fazer com que o policial civil fosse preso. Ele, inclusive, esteve na Corregedoria uma hora antes de tudo acontecer e isso gerou estranheza por parte dos investigadores. “Uma das possibilidades é de que aguardava o resultado de sua ação pretérita, quando deu a ordem de proibir a entrada dos pedreiros e de Castanheira no local”, explica o documento.documento-corregedoria

Ainda de acordo com o documento, as investigações apontam que Luís Mussi planejou a ação toda. “Tudo indica que Luís Mussi provocou a ação de Castanheira para que este fosse até a chácara e forçasse a entrada, mesmo sabendo que seus guardas estavam armados e que isso poderia resultar em mortes, a fim de tudo gravar e divulgar na mídia, com proposito de Castanheira ser preso pelos policiais da Corregedoria e com isso conseguir impedi-lo de morar no local”, diz um trecho da conclusão do documento da instituição.

Investigações continuam

A Corregedoria da Polícia Civil esclareceu, através de nota, que o policial civil não foi absolvido no inquérito criminal. O delegado que presidiu o inquérito, que foi encaminhado para Justiça, entendeu que ele não cometeu crime, mas ainda é apurado, paralelamente em procedimento administrativo interno, se houve transgressão disciplinar.

Caso as investigações da Corregedoria apontem que Castanheira não poderia ter agido da forma em que agiu, ele pode ser demitido do cargo. Para tanto, o trabalho da Corregedoria segue e, enquanto não é concluído, Antônio Gabriel Castanheira Junior continua afastado de suas funções na Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), de Curitiba.

PMs na segurança

A investigação da Corregedoria apurou ainda outra questão que envolve o empresário Luís Mussi. Os investigadores descobriram que os porteiros armados, que prestavam serviço no condomínio de Mussi, eram policiais militares e que “efetuam o trabalho de forma clandestina, pois trabalham armados, sem contrato de trabalho, registro em carteira e sem autorização da Polícia Federal”.

Defesa se manifesta

O advogado Marluz Dalledone, que representa Luís Mussi, afirma que a divulgação das informações foi promovida pela defesa do policial e trata-se de um engodo (um chamariz) tentando induzir em erro a opinião pública com relação ao ato violento e desproporcional feito pelo policial.  “Essa não foi a decisão da Corregedoria, mas sim a conclusão de um delegado no inquérito policial. Vale salientar  que não é função do delegado concluir qualquer coisa, pois isso cabe ao Ministério Público do Paraná”, disse.

De acordo com Marluz, a defesa considera como irrelevante as acusações e vai estudar medidas contra o que foi divulgado. “Isso, nada mais é, do que a materialização do corporativismo. Mas nós temos a convicção de que este não é posicionamento de toda a Polícia Civil e que isso não reflete a vontade e a opinião da instituição, mas sim única e exclusivamente de um delegado praticando, inclusive, usurpação de sua função, pois não podia sequer concluir nada”.

A defesa de Mussi lembrou ainda que as investigações a respeito da medida disciplinar continuam e que o Ministério Público de Campo Largo continua apurando os fatos. “Confiamos e sabemos que a Polícia Civil é uma instituição séria. Aguardamos a decisão final da medida disciplinar”.

Em seu perfil no Facebook, o empresário compartilhou a página final do relatório da Corregedoria (acima) e ironizou as conclusões. Em outra postagem, ele disse que também acredita na Polícia Civil. “Para deixar claro, o parecer foi apenas de um delegado da corregedoria da PC-PR, não envolvendo a corregedoria como um todo, pois existem pessoas da mais alta qualidade nos quadros dessa importante instituição”, escreveu Mussi.

Luis_facebook

 

 

Relembre o vídeo: