Brasília (AE) – Em meio a novas suspeitas de febre aftosa em Mato Grosso do Sul, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje (17), em Roma, que o foco da doença já foi debelado. Numa entrevista ao programa quinzenal de rádio "Café com o Presidente", gravado na capital italiana, ele ressaltou a transparência do governo ao comunicar o "caso isolado" à União Européia. Lula garantiu: "Já matamos todas as reses, já fizemos as barreiras nas fronteiras, que era preciso fazer." Segundo o presidente, o Brasil vai mostrar ao mundo " a eficácia e a ação do governo no sentido de não permitir que um caso isolado possa prejudicar o comércio de carne".

O governo, disse o presidente, cumpriu o compromisso ético internacional de comunicar o caso imediatamente a todos os seus parceiros. "O que estamos dizendo para eles é aquilo que pode ser considerado a mais absoluta verdade", comentou Lula, ao se referir às ações do governo. Quando esteve em Portugal, ele informou pessoalmente a ocorrência do caso e o informaria também ao governo Putin. O presidente chegou hoje à Rússia para uma visita de menos de 24 horas e conversaria com o governo local sobre a ocorrência do foco de febre aftosa e a possibilidade de suspensão do embargo russo, que afetou os bovinos, suínos e aves inclusive derivados.

A preocupação do presidente é explicitar que o foco de aftosa não contaminou outros rebanhos. "Nós mostramos aos portugueses e aos governantes que participaram do encontro Ibero-Americano e vamos mostrar para a Rússia que temos um foco. E esse foco já foi debelado. Matamos todas as rezes e fizemos as barreiras nas fronteiras", insistiu.

No programa de rádio, o presidente comentou ainda a importância da viagem à Rússia, onde concretizaria acordo na área espacial. Ele observou que os russos podem oferecer tecnologia para o desenvolvimento do setor espacial no Brasil. Também destacou a importância de acordos comerciais entre os dois países. "Pretendemos apresentar o que é o Brasil e as mudanças que fizemos na legislação para estabelecer parcerias", disse. "Espero que a gente consiga uma parceria mais forte entre Rússia e Brasil."