O líder da minoria na Câmara, deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA), afirmou hoje que após a eleição para a presidência da Casa a oposição terá que se reposicionar para agir de forma coordenada. Segundo ele, é evidente que os rumos diferentes tomados pelo PSDB e o PFL nessa eleição significam uma divisão entre os dois partidos. Mas disse que não se trata de "nada irreparável". "É necessário que se faça uma oposição articulada. Evidente que somos partidos diferentes, mas temos de trabalhar juntos para mostrar à sociedade a paralisia que o governo Lula levou ao País", disse.

O parlamentar pefelista acredita que a eleição à presidência da Câmara terá segundo turno e que a disputa vai ser decidida nos "votos ocultos", que ele definiu como os relacionados aos parlamentares que estão chegando ao Congresso e que vão votar no candidato que der a eles mais força, mais espaço e mais autonomia à Casa.

Apoiador de Aldo Rebelo (PCdoB-SP), Aleluia acredita que esses votos irão para o atual presidente da Câmara. Ele considera que o PSDB deve votar majoritariamente em Rebelo no segundo turno. Para Aleluia, a candidatura de Arlindo Chinaglia (PT-SP) enfraquece o Poder Legislativo.