Na esperança de convencer os senadores sobre a importância da ratificação da Convenção-Quadro, um tratado de combate ao tabagismo, o Ministério da Saúde distribuiu hoje (30) no Senado Federal cartilhas para mostrar aos senadores que a aprovação da convenção não resultará no desemprego dos trabalhadores que plantam fumo e no andamento das atividades da indústria. O documento foi aprovado na Câmara dos Deputados em maio do ano passado e aguarda parecer final no Senado.

A Convenção-Quadro prevê a redução da demanda por tabaco, redução da oferta de produtos do tabaco, proteção do meio ambiente, responsabilidade civil e cooperação técnica. A partir daí as principais ações serão elevação dos preços e tributos do tabaco, eliminação do contrabando e elaboração de pesquisas nacionais relacionadas ao tabaco e seu impacto sobre a saúde pública.

Dados do Ministério da Saúde revelam que por ano cerca de 4,9 milhões de pessoas morrem no mundo inteiro vítimas do uso do tabaco. Os resultados mostram ainda que por volta de 2020 esse número subirá para 10 milhões de mortes a cada ano. Entre as principais doenças causadas pelo fumo estão o câncer de pulmão, de boca e de faringe, cardiopatias e impotência sexual. Pesquisas da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostram que aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam e a cada dia 100 mil crianças tornam-se fumantes.

No Dia Mundial de Combate ao Tabaco, que é comemorado no dia 31, será montado um cemitério simbólico em Copacabana, no Rio de Janeiro. A simulação vai ter cruzes fincadas na areia e uma faixa informando à população que nos últimos seis anos, 22,5 milhões de pessoas morreram no mundo em conseqüência de doenças causadas pelo tabaco. Durante o evento, serão recolhidas também assinaturas de apoio à Convenção-Quadro.

Todos os anos a OMS escolhe um tema para a campanha contra o tabaco. Este ano o tema escolhido foi "Profissionais de Saúde no Controle do Tabaco", que tem a finalidade de mobilizar esses profissionais para que fortaleçam sua participação social no controle do tabagismo.