O São Paulo tem tudo para encostar no Santos na liderança do Campeonato Paulista. Hoje, às 20h30, recebe o lanterna Santo André no Morumbi. Palco e adversário perfeitos para o time de Muricy Ramalho acertar os ponteiros e ganhar moral na competição apesar dos dez pontos que tem, perto do líder Santos, que soma 15.

O treinador adotou de vez a formação com três zagueiros – Alex Dias, Miranda e André Dias serão os titulares novamente. A melhora no desempenho do time na última rodada animou Muricy, que deslocou Leandro para a posição que pertencia a Mineiro e mandou Souza para a ala direita. Os dois, porém, deverão se alternar durante a partida. No lado esquerdo, Júnior está de volta depois de ser poupado da partida em Rio Claro.

Para esse esquema funcionar, os jogadores do São Paulo admitem que é preciso solidariedade. "Não podemos sobrecarregar o Josué na marcação. Todos têm de voltar para ajudar o meio-campo", afirmou o atacante Borges. "Pelo tamanho do Morumbi, fica mais difícil encostar no adversário, mas ganhamos no toque de bola, porque o gramado é muito bom", disse o meia Hugo.

Mas para que nada dê errado na noite que tem tudo para ser perfeita para os são-paulinos, o técnico Muricy Ramalho esbanja respeito ao falar do adversário, que ainda não somou pontos no Paulistão.

"Eu vi o jogo contra o Palmeiras, e o Santo André é sempre um time muito chato. Eles perderam, mas foi um jogo muito duro", lembrou Muricy. "É uma equipe muito experiente, que pode estar mal na tabela, mas que daqui a pouco pode complicar.

O São Paulo sabe bem como é se complicar jogando dentro do Morumbi contra adversários modestos. No Paulistão do ano passado em três oportunidades, o time vacilou – empates contra Noroeste (1 a 1) e Guarani (3 a 3), além de derrota para o Juventus (1 a 0). Pontos que acabaram fazendo a diferença na disputa do título com o Santos.

"Argumentos não faltam para motivar o Santo André. Eles vão enfrentar o campeão brasileiro, dentro do Morumbi e com o jogo sendo transmitido. Nada que uma boa conversa resolva. Então, é preciso respeitar do mesmo modo", avisou Muricy.

A equipe são-paulina ainda está invicta, mas consciente de que o nível das exibições não tem agradado. "Podemos render mais, mas isso só ocorrerá quando estivermos entrosados", garantiu Hugo. "O mais importante é que estamos conseguindo os resultados.

O Santo André só tem uma certeza: a estréia do técnico Luiz Carlos Ferreira, escolhido para substituir Ruy Scarpino com a missão de tirar o time da lanterna do Campeonato Paulista. Conhecido como "Rei do Acesso", Ferreira é ainda especialista em livrar times do rebaixamento – como fez com o próprio Santo André no ano passado. E também gosta de fazer mistério.

"Juro que não sei ainda como vou montar o time, porque não deu tempo para conhecer direito os jogadores", despista Ferreira, que dirige o Santo André pela nona vez. Desta vez, porém, o time está pior que no ano passado, porque perdeu os quatro primeiros jogos. "Nossa missão é reorganizar o elenco, que tem qualidades. Talvez precisemos de uma ou duas peças mais experientes, porque o grupo é novo", avalia o treinador.

Na realidade, Ferreira não tem muitas opções para dar uma guinada completa na situação do Santo André. Tanto que deve manter o esquema 3-5-2, com uma sutil modificação na função de líbero. Antes ocupada pelo veterano Galeano, a função deve ficar com Lello, já que Júnior Paulista estréia como zagueiro. Assim, Galeano permanece no meio-de-campo, ao lado dos também marcadores Bruno e Makelele – o objetivo principal é evitar a quinta derrota e torcer para que o veloz Catatau e o oportunista Sandro Gaúcho surpreendam nos contra-ataques.