Belém (AE) – Na noite de despedida de Robinho, o Santos superou os erros de suas antigas apresentações, como numa homenagem do time inteiro ao craque que vai para o Real Madrid, e conquistou uma vitória histórica no Mangueirão, em Belém do Pará. Depois de ser dominado no 1º tempo pelo Paysandu, o time da Vila Belmiro se recuperou e estabeleceu uma ótima virada por 3 a 2. No seu último jogo, o craque foi perseguido o tempo todo por Marabá, mas batalhou muito e inspirou os companheiros a lutar pela bola em todos os lances.

Antes do jogo, Robinho mostrava muita emoção. "Espero sair daqui com uma vitória. Vou jogar muito e fazer de tudo para ganhar", alertava o craque. E fez. Driblou, lançou, abriu espaços, serviu seus companheiros, perdeu gols, sofreu faltas, enfim, mostrou todo o valor que fez o Real transformá-lo num galáctico. A torcida que lotou o Mangueirão foi privilegiada.

Robinho agradeceu a presença da torcida antes da partida. Apesar de uma marcação forte de Marabá, o craque não perdeu o equilíbrio e agitou os santistas. Mesmo assim, Robson abriu o placar para o time do Pará, que dominava, e Marco Aurélio aumentou. Ainda no primeiro tempo, Giovanni, destaque do jogo e reconhecido por Robinho como o melhor jogador em atividade no Brasil após sua saída, descontou.

No segundo tempo, o Santos voltou diferente, com garra. Sob o comando de Robinho e Ricardinho, o time empatou com Geilson e virou com um gol impedido de Zé Elias. Nos dois lances a luta de Robinho foi decisiva para a conclusão do lance.

No crepúsculo de sua estada no Brasil, Robinho viu seu time mostrar determinação e garantir uma suada vitória.

Sobre o despedida, o craque foi categórico: "Pior seria se o Santos perdesse e eu tivesse feito o gol." Para seu time do coração, um desejo: "Espero que o Santos seja campeão."


Ficha Técnica

Paysandu 2 x 3 Santos

Gols: Robson aos 32, Marco Aurélio aos 38 e Giovanni aos 40 minutos do 1º tempo; Geilson aos 5 e Zé Elias aos 28 do 2.º

Paysandu: Alexandre Fávaro; Marco Aurélio, Marquinhos, Felipe e Cléber; Vânderson, Marabá, Carlos Alberto e Rodrigo (Balão); Luís Augusto e Robson. Técnico: Gilson Kleina.

Santos: Saulo; Bóvio, Ávalos (Halisson), Luiz Alberto e Wendell; Zé Elias, Ricardinho, Élton e Giovanni (Flávio); Robinho e Diego (Geilson). Técnico: Gallo.