O deputado Marcondes Gadelha (PSB-PB), que afirma possuir provas de que não conhece o empresário Luiz Antonio Vedoin, desligou-se da CPI Mista dos Sanguessugas, da qual era titular. Ele disse que fará um pronunciamento para se defender da acusação de que estaria envolvido no escândalo da venda superfaturada de ambulâncias para prefeituras, que pagavam com recursos liberados por emendas de parlamentares ao Orçamento da União.

Vedoin acusou o deputado em depoimento feito à Justiça Federal. Ontem, o nome de Gadelha foi incluído em uma terceira lista de deputados e senadores acusados integrar o esquema. Gadelha explicou que pediu o desligamento da CPI antes de apresentar sua defesa, porque estava se sentindo "angustiado".

Ele disse também que permanecerá afastado da comissão até que tudo seja esclarecido, com a divulgação do relatório final da CPI, prevista para 18 de agosto. O afastamento de Gadelha foi sugerido pelo próprio presidente da CPI, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ).