A Sanepar e a Defesa Civil conseguiram reestabelecer em quase 70% o abastecimento de água para Curitiba e Região Metropolitana, poucas horas depois do acidente ocorrido na estação de captação Iguaçu, no início da madrugada desta quinta-feira (18). A estimativa é que a situação das áreas atingidas pela suspensão do fornecimento de água esteja normalizada até o fim da madrugada de sexta-feira (19). As creches, escolas e hospitais estão sendo atendidos com caminhões-pipa, que podem ser solicitados pelo telefone 115.

Um curto-circuito, seguido de incêndio, provocou a paralisação do sistema de captação e distribuição de água daquela estação. Para garantir melhores condições de abastecimento, desde as 9h30 a Estação de Tratamento de Água Iraí aumentou a produção em mais 400 litros por segundo, reduzindo o número de residências que ficaram sem água. Nas primeiras horas, ao todo, 830 mil pessoas foram afetadas pelo acidente.

A paralisação do abastecimento afetou os moradores, que não possuem caixa de água domiciliar, das regiões Sul e Leste de Curitiba, de São José dos Pinhais e de parte de Piraquara. Enquanto o problema não for totalmente resolvido, a Sanepar recomenda o uso racional da água, para que o problema seja minimizado. Segundo o gerente de Curitiba e Região Metropolitana, Antônio Carlos Gerardi, é importante que a água tratada seja utilizada apenas para atividades essenciais. "Recomendamos que nossos usuários deixem para lavar o carro e as calçadas quando a situação estiver normalizada", disse.

O acidente

Por volta das 2h desta quinta-feira (18) um curto-circuito provocou um incêndio na captação de água Iguaçu, localizada às margens da BR-277, no sentido Praias-Curitiba. Como se trata de uma unidade que pode comprometer o bem-estar de milhares de moradores, o Sistema de Defesa Civil foi acionado. Os bombeiros conseguiram extinguir o fogo, às 2h50, enquanto outras equipes da Defesa Civil ficavam de prontidão, caso fosse necessário empreender outras ações. Dois funcionários trabalhavam no local na hora do incêndio, mas ninguém ficou ferido.

Das seis bombas que levam água até a estação de tratamento, três queimaram. As outras três, por medida de segurança, tiveram que ficar desligadas por 5 horas, o que reduziu a oferta de água para as 830 mil pessoas. As seis bombas produzem 3 mil litros de água por segundo. Durante os trabalhos de recuperação, com três bombas operando, foram produzidos apenas 2.400 litros por segundo no Sistema Iguaçu. A expectativa é que seja possível recompor a parte elétrica destruída pelo incêndio e colocar em operação a quarta bomba, que passaria a produzir mais 500 litros por segundo.

A Sanepar já contratou uma empresa para fazer o laudo técnico e identificar o que provocou o curto-circuito. A captação Iguaçu é responsável por extrair a água do rio e bombeá-la até a maior estação de tratamento de água do Paraná, a ETA Iguaçu.