Foto: Fernanda Toigo/Jornal do Oeste

Sacoleiros revoltados com o rigor da Receita Federal na fiscalização e repressão ao contrabando colocaram fogo em quatro ônibus perto de Toledo.

Dois deles, cheios de mercadorias provenientes do Paraguai, foram totalmente queimados. Os outros tiveram destruição parcial.

Até a tarde desta quinta-feira oelo menos 22 ônibus haviam sido apreendidos. Balanço sobre quanta mercadoria havia nos veículos será conhecido na próxima semana.

Por volta das 5 horas de hoje fiscais da Receita perceberam um comboio com cerca de 50 ônibus deixando a BR-277 e pegando uma estrada secundária para fugir da fiscalização. Seis foram interceptados e apreendidos logo depois. A Receita acionou a Promotoria de Investigações Criminais, Polícia Federal e polícias rodoviárias e colocou um helicóptero para rastrear os outros ônibus.

Fogo

Outros seis foram interceptados no posto rodoviário de Santa Helena. Os sacoleiros tentaram colocar fogo em dois veículos, mas o controle das chamas foi rápido.

As informações eram de que parte dos veículos seguia para Toledo pela PR-585. A Polícia Militar foi acionada e parou dez na entrada da cidade. Eles tinham como destino os Estados de São Paulo e Minas Gerais.

De acordo com o capitão Christian Guilherme Goldoni, cerca de 30 sacoleiros desceram e ofereceram dinheiro para ser liberados. Como houve recusa pegaram garrafas com combustível e atearam fogo em quatro ônibus. Segundo o capitão, a intenção era desviar a atenção e escapar com os outros veículos. Um atolou e os outros cinco foram apreendidos adiante, pois as equipes policiais de auxílio chegaram logo.

Saque

O Corpo de Bombeiros também foi acionado e conseguiu controlar o fogo em dois dos ônibus. Vendo a confusão, aproximadamente 300 moradores da Vila São Francisco passaram a saquear os veículos, dando mais trabalho para os policiais. "Era uma cena de guerra", descreveu o capitão Goldoni.

Por volta das 14 horas a situação foi controlada. Os ônibus apreendidos foram levados para a Receita Federal em Cascavel. Eles devem ser encaminhados à Polícia Federal para instauração de inquérito.