Ronaldo será apresentado amanhã como jogador do Milan. O evento não será na sala de imprensa do Centro de Treinamento, como normalmente ocorre, mas sim na sede do clube, onde foram apresentados grandes astros que passaram pelo clube nos últimos 20 anos, como os holandeses Ruud Gullit e Van Basten.

Ontem, em seu primeiro dia no novo clube, o Fenômeno treinou fisicamente de manhã e depois almoçou no CT. Quando deixava o local, alguns torcedores que estavam no portão o aplaudiram. E um deles gritou para ele fazer dois gols no dérbi com a Inter – o jogo será dia 11 de março.

À tarde, ele foi tirar o visto de trabalho – que é indispensável para poder jogar. À noite, pela tevê, ele viu seu time ser eliminado da Copa da Itália pela Roma. O primeiro jogo, em Milão havia terminado 2 a 2. Ontem, a equipe romana ganhou por 3 a 1 e se classificou para a final. Seu adversário sairá do jogo de hoje entre Inter e Sampdoria. Na partida de ida, a Inter venceu fora de casa por 3 a 0.

Mancini, Perrotta e o chileno Pizarro marcaram para os donos da casa e Gilardino anotou para o Milan. No segundo tempo, já com o placar mostrando 3 a 1, Dida defendeu um pênalti cobrado por Totti.

O Fenômeno vendeu o apartamento em que morou em Milão no período em que defendeu a Inter, entre 1997 e 2002, e por isso hoje começará a procurar um local para morar. Por enquanto, está hospedado num hotel no centro da cidade.

Depois de muita conversa entre Adriano Galliani (vice-presidente do Milan) e os dirigentes do Real Madrid, ficou decidido que Ricardo Oliveira não será emprestado ao clube espanhol e continuará no Milan pelo menos até o fim da temporada. Dois detalhes impediram a transação: 1 ) o Real não queria pagar nada pelo empréstimo e o Milan exigia 1,5 milhão (R$ 4,1 milhões); 2) não havia tempo hábil para o Real pedir à Fifa uma autorização para inscrever o jogador – por ter tido contrato com o São Paulo e o Milan de julho para cá, ele não poderia assinar com um terceiro clube antes de 30 de junho.

A preocupação com o segundo item parece ter sido um excesso de zelo por parte do Real, porque ontem a Fifa autorizou Mascherano – que estava na mesma situação de Ricardo Oliveira – a se transferir do West Ham para o Liverpool. A justificativa: os calendários na Europa e América do Sul são diferentes.

O fracasso da negociação foi ruim para o atacante – que deverá ter ainda menos espaço no Milan por causa da chegada de Ronaldo – e também para o Real Madrid, que não conseguiu repor a saída do Fenômeno e conta com apenas dois centroavantes em seu elenco – o holandês Van Nistelrooy e o argentino Higuaín. O técnico Fabio Capello queria mais um jogador para a posição, porque o ataque fez apenas três gols nos últimos sete jogos. Em 20 rodadas do Campeonato Espanhol o Real fez 28 gols, sua pior marca em 16 anos.

O Milan contratou quatro jogadores e não vendeu nenhum durante o mercado de janeiro. Além de Ronaldo, chegaram o lateral-direito Oddo (ex-Lazio), o lateral-esquerdo Grimi (ex-Racing, da Argentina) e o goleiro Storari (ex-Messina).