O prefeito Beto Richa anunciou nesta segunda-feira (20) reajuste salarial de 6% para os 30 mil servidores municipais de Curitiba. O índice está acima da inflação de 4,63%, medida nos últimos 12 meses, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do IBGE. Com isso, o ganho real dos servidores chegará a 1,37 ponto percentual e será pago em uma só parcela já em abril.

A mensagem do prefeito, contendo o projeto de lei, será enviada à Câmara Municipal. "Os servidores municipais são o motor desta administração. Valorizá-los significa investir diretamente na melhoria dos atendimentos e serviços prestados às pessoas de nossa cidade", afirma Beto Richa.

Em nove meses, esta é a segunda vez que os servidores de Curitiba recebem aumento de salário. Em julho do ano passado os salários também foram reajustados em 6%, zerando a inflação dos 12 meses anteriores, que havia sido de 5,8%. Em apenas um ano e três meses de gestão, o prefeito Beto Richa concedeu 12,36% de reajuste salarial aos servidores.

Os secretários municipais de Recursos Humanos, Arnaldo Bertone, e de Finanças, Luiz Eduardo Sebastiani, comunicaram a decisão do prefeito Beto Richa à Comissão de Negociação, formada por representantes do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc) e Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismac), na manhã desta segunda-feira (20)

O novo benefício injetará na economia local, ainda neste ano, R$ 36 milhões e representa um acréscimo mensal de R$ 3.607 milhões na folha de pagamento. A despesa com pessoal passará de R$ 62,250 milhões para R$ 65,850 milhões ao mês. O aumento concedido pelo prefeito Beto Richa não trará prejuízos ao município graças à boa condição de equilibro financeiro em que se encontra a administração municipal, conforme explica o secretário municipal de Finanças, Luiz Eduardo Sebastiani.

"O prefeito está agindo com muita responsabilidade à medida que concede ganhos reais aos servidores sem provocar qualquer descontrole financeiro para o município, o que poderia recair em prejuízos também para o próprio trabalhador", afirma o secretário municipal de Recursos Humanos, Arnaldo Bertone.